Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 13º

Edição

Madeira assina acordo para novo cabo submarino

O presidente do Governo Regional da Madeira afirmou hoje que a assinatura do contrato de fornecimento de uma ligação em cabo submarino ao continente, no valor de 13,6 milhões de euros, é um papel do Estado, mas que este não o assume.

Madeira assina acordo para novo cabo submarino
Notícias ao Minuto

15:11 - 17/05/18 por Lusa

País Miguel Albuquerque

"Este projeto é, em primeiro lugar, um projeto de natureza política e não temos de ter complexos relativamente a isso, porque o que nós precisamos de garantir são duas coisas fundamentais: a independência e autonomia tecnológica da Madeira e garantir aquilo que o Estado português não assume relativamente à nossa região que é o princípio da coesão e da continuidade territorial", afirmou na cerimónia de assinatura do contrato.

Este contrato de fornecimento de uma ligação em cabo submarino, entre a Emacom - Telecomunicações da Madeira, empresa do grupo da Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM) que se dedica à atividade de telecomunicações e a Ellalink Ireland Limited, operadora de comunicações submarinas, com sede social em Dublin, custou 13,6 milhões de euros.

Miguel Albuquerque criticou ainda a privatização da Portugal Telecom, por ter deixado as regiões dependentes da iniciativa privada, num papel que, disse, deveria caber ao Estado.

"Portugal, na sua conexão de cabo submarino esqueceu-se que existiam as regiões autónomas e quando faz a privatização de uma empresa que era pública e era a vanguarda tecnológica do país, foi destruída devido a um conjunto de vigaristas e ladrões que utilizaram a empresa para encher os bolsos privados, faz a privatização dos cabos submarinos e deixa as regiões dependentes de uma empresa privada".

O presidente do conselho de administração da EEM, Rui Rebelo, destacou que com o novo cabo a Madeira fica menos dependente do atual "monopólio".

"Presentemente, ao nível das telecomunicações, a Madeira encontra-se interligada a Portugal continental através de um sistema submarino designado de Cam Ring, operado em regime de monopólio ligados a outros sistemas e que ficarão obsoletos a médio prazo, justificando-se assim a necessidade de uma nova solução para colmatar a conetividade futura da região", disse.

Rui Rebelo alertou ainda que esta "nova interligação submarina, com base no pressuposto de um estudo recente, irá beneficiar os consumidores e a economia local, com um potencial de poupança anual de 11 milhões de euros, proporcionando uma baixa média dos preços do mercado residencial, em cerca de 16 euros por mês".

Num espaço de um ano, a Madeira e o continente português ficarão ligados através de um par de fibras óticas que, ligando o Funchal a Lisboa, terá uma distância total de aproximadamente 1.100Km, num cabo que se interligará com o cabo da Ellalink, ligando a América do Sul (Fortaleza) à Europa (Sines).

O sistema final terá uma capacidade total projetada de 18 'terabits' por segundo numa esperança de vida de 25 anos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório