Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2018
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 21º

Edição

Marcelo assinala dois anos de mandato com aula em escola secundária

Marcelo Rebelo de Sousa cumpre hoje dois anos de mandato como Presidente da República, voltando a assinalar a data com uma aula/debate para alunos do ensino secundário de uma escola do Laranjeiro, em Almada.

Marcelo assinala dois anos de mandato com aula em escola secundária
Notícias ao Minuto

05:43 - 09/03/18 por Lusa

Política Presidência

Há precisamente um ano, Marcelo celebrou a data com uma aula no liceu da sua juventude, Pedro Nunes, além de um passeio nas ruas e esplanadas de Belém durante o qual ajudou a vender a revista CAIS.

O Presidente cumpre dois anos de mandato num momento em que tem acentuado a urgência de acordos de regime alargados até às eleições do próximo ano.

"É agora que temos de pensar, de falar, de juntar esforços, de promover convergências, de definir e tentar fazer vingar objetivos. Não é daqui a meses, em pleno ano eleitoral de 2019, quando já for tarde", defendeu o chefe de Estado, na semana passada, perante o novo presidente do PSD, Rui Rio.

O ex-comentador político e professor universitário de direito, que completou 69 anos em dezembro, foi eleito nas presidenciais de 24 de janeiro de 2016, à primeira volta, com 52% dos votos, apresentando-se como um moderado empenhado em "fazer pontes" e "promover consensos".

Desde que tomou posse, em 09 de março de 2016, num clima de bipolarização e crispação entre os dois maiores partidos, PS e PSD, Marcelo Rebelo de Sousa foi renovando os apelos a convergências setoriais alargadas, mas sem resultados.

Nos últimos meses, reconheceu que "o tempo que falta para pactos de regime não é muito longo" e traçou uma meta temporal, pedindo aos partidos que, entre os congressos deste ano e as eleições europeias e legislativas de 2019, façam convergências, pelo menos, sobre a organização do poder público, a saúde e a justiça.

Rui Rio, que sucedeu ao anterior primeiro-ministro Pedro Passos Coelho na liderança dos sociais-democratas, saiu do Congresso do PSD de fevereiro com uma mudança de mensagem quanto a esta matéria, manifestando abertura a entendimentos com o Governo minoritário do PS em questões estruturantes, desde logo, a descentralização e os fundos comunitários.

Desde que iniciou funções, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou-se como um Presidente da República popular e interventivo, no centro da vida política, com presença mediática e uso constante da palavra, analisando e deixando recomendações sobre os temas da atualidade.

Ao completar dois anos da sua eleição, o próprio chefe de Estado destacou três circunstâncias em que, disse, teve de "exercer a autoridade" para evitar incompreensão social face ao poder: a polémica sobre as declarações de rendimentos da anterior administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), os incêndios de 2017 e o recente veto às alterações à lei do financiamento dos partidos.

"São situações extremas, se virem bem, porque o Presidente, de facto, tem de ser muito cumpridor em relação aos seus poderes. Eu sou professor de direito constitucional. Mais: eu votei a Constituição. Portanto, tenho a obrigação de conhecer bem a Constituição", afirmou, acrescentando: "Sou muito cuidadoso em relação a isso".

O chefe de Estado classificou os fogos de junho e de outubro do ano passado, que no seu conjunto mataram mais de cem pessoas, como "o ponto mais doloroso" da sua presidência e prometeu nunca mais largar o assunto.

Marcelo Rebelo de Sousa descreveu-se como um Presidente da República extrovertido e afetivo, com presença constante junto dos cidadãos, admitindo que se "expõe muito", mas rejeitou que isso lhe retire "autoridade nos momentos cruciais".

Tem exercido um acompanhamento permanente e ativo da governação e da atividade parlamentar, ouvindo regularmente -- de três em três meses -- os partidos com assento na Assembleia da República, as confederações patronais e sindicais e o Conselho de Estado.

Já convocou oito vezes o Conselho de Estado. Em contraste, nos dez anos de mandato do seu antecessor, Cavaco Silva, este órgão de consulta presidencial tinha-se reunido, no total, 12 vezes.

Ainda não recorreu ao Tribunal Constitucional, mas utilizou seis vezes o poder de veto político, em relação a dois decretos do Governo, sobre acesso a informação bancária e o estatuto da GNR, e a quatro diplomas do parlamento, sobre gestação de substituição, os transportes do Porto e de Lisboa e alterações ao financiamento dos partidos.

Em janeiro de 2017, definiu-se como um Presidente que não recorre frequentemente ao Tribunal Constitucional como "uma espécie de defesa", mas que exerce "sem complexo nenhum" o veto político, perante fortes divergências.

No plano da política externa, já fez mais de 30 deslocações ao estrangeiro, a maior parte a países da Europa.

Realizou, até agora, nove visitas de Estado, a Moçambique, Suíça e Cuba, em 2016, Cabo Verde, Senegal, Croácia e Luxemburgo e México, em 2017, e São Tomé e Príncipe, em fevereiro deste ano.

Além disso, lançou, com o primeiro-ministro, António Costa, um modelo inédito de celebração do Dia de Portugal, iniciando as cerimónias em território nacional e prosseguindo-as junto de comunidades portuguesas no estrangeiro: em França, em 2016, e no Brasil, em 2017, seguindo-se os Estados Unidos, em 2018.

Em dezembro do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa teve de ser operado de urgência a uma hérnia umbilical, o que o obrigou a cancelar toda a sua agenda até janeiro, incluindo a deslocação às regiões atingidas pelos fogos prevista para a altura do fim de ano, e a abrandar o ritmo nas semanas seguintes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório