Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2017
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 14º

Edição

Ida de Moedas para Bruxelas pode cair por terra

O primeiro-ministro escolheu Carlos Moedas para o cargo de comissário europeu mas a ida do até agora secretário de Estado adjunto pode não se concretizar. O Diário Económico explica que Jean-Claude Juncker comprometeu-se a apresentar mais de nove comissárias e até agora só conta com quatro. Este facto poderá, por isso, condicionar a ida de Moedas para Bruxelas, que ?não tem trabalho feito à escala europeia?.

Ida de Moedas para Bruxelas pode cair por terra
Notícias ao Minuto

09:15 - 06/08/14 por Notícias Ao Minuto

Política Comissário

O recém-eleito presidente da Comissão Europeia, Jean- Claude Juncker, solicitou aos países que indicassem mulheres para o colégio de comissários. O objetivo é ultrapassar a barreira das nove comissárias da governação de Durão Barroso. Mas a tarefa parece não estar a ser fácil.

Até agora, e num momento em que falta apenas que cinco países indiquem os seus comissários, Juncker conta apenas com quatro mulheres. Um cenário que, destaca hoje o Diário Económico, pode travar a ida de Carlos Moedas para Bruxelas.

O escolhido de Passos Coelho para integrar a nova Comissão Europeia pode ser chumbado no Parlamento Europeu por tratar-se “apenas de um secretário de Estado num conjunto de nomes já conhecidos, recheados de ex-ministros e ex-primeiros-ministros”, além de, justifica o especialista em questões europeias Paulo de Almeida Sande, contar “com a oposição assumida por Maria João Rodrigues, vice-presidente dos socialistas e alguém de grande influência dentro do grupo”.

Questionado sobre este facto, a socialista afirma que “a comissão tem vantagem em ser constituída por pessoas com trabalho feito à escala europeia, o que não é o caso de Carlos Moedas”. A juntar a isto, acrescenta Maria João Rodrigues em declarações ao Diário Económico, “Juncker já disse que a sua prioridade vai ser o crescimento, emprego e investimento, e a escolha de Moedas não parece sintonizada com estas prioridades”.

A favor de Portugal poderá estar, no entanto, “a dívida de gratidão que Juncker tem para com Passos Coelho”, comenta o eurodeputado Paulo Rangel. Visto que, lembra, o primeiro-ministro português saiu em defesa do governante luxemburguês numa reunião do PPE pós-eleições em que chanceler Merkel pretendia “deixar cair Juncker para agradar ao Reino Unido”.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório