Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2018
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 22º

Edição

Manifestação contra "salário de escravo" junta milhares na África do Sul

Pelo menos 10.000 pessoas saíram hoje às ruas na África de Sul durante uma greve geral contra a introdução de um salário mínimo de 20 randes por hora (1,3 euros), considerado um "salário de escravo".

Manifestação contra "salário de escravo" junta milhares na África do Sul
Notícias ao Minuto

14:17 - 25/04/18 por Lusa

Mundo Protesto

O salário mínimo, inédito até agora na África do Sul, deve entrar em vigor a 01 de maio, dois meses e meio depois da chegada ao poder de Cyril Ramaphosa.

O Presidente fez do relançamento da economia da primeira potência industrial do continente uma das suas prioridades.

Os grevistas protestam igualmente contra a introdução de novas leis que limitam, segundo eles, o direito à greve.

"Vinte randes à hora, é uma vergonha", considerou Martin Kgaladi, trabalhador da indústria automóvel, que se manifestava em Joanesburgo, com uma 't-shirt' denunciando "um salário de escravo".

As manifestações ocorreram em várias outras cidades, entre as quais a Cidade do Cabo (sudoeste), Durban (nordeste) e Port Elizabeth (sul), tendo os grevistas respondido ao apelo da segunda federação sindical do país, a Saftu.

O partido de esquerda radical dos Combatentes pela Liberdade Económica (EFF) associou-se ao movimento.

A maior central sindical do país, a Cosatu, aliada do governo, não apelou à greve, considerando que perto de metade dos trabalhadores (47%) vai beneficiar com a introdução do salário mínimo.

Estas manifestações constituem o primeiro movimento social importante com que é confrontado o presidente Ramaphosa, antigo sindicalista que se tornou um homem de negócios de sucesso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório