Meteorologia

  • 17 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 21º

Edição

"Não bombardeamos a Síria porque Trump pediu, mas por ser o mais correto"

Theresa May reiterou que atacar Damasco foi "o mais correcto". Para além de considerar o ataque legal à luz da lei internacional, primeira-ministra negou que bombardeamentos a Damasco tenham acontecido devido à pressão exercida por Donald Trump.

"Não bombardeamos a Síria porque Trump pediu, mas por ser o mais correto"
Notícias ao Minuto

18:29 - 16/04/18 por Pedro Bastos Reis

Mundo Theresa May

A primeira-ministra britânica, Theresa May, compareceu esta segunda-feira perante os deputados para justificar o ataque do passado sábado contra o regime sírio de Bashar al-Assad.

Depois de o líder trabalhista Jeremy Corbyn ter afirmado que a decisão de atacar a Síria é “legalmente questionável”, uma vez que não teve a autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas, Theresa May garantiu que os bombardeamentos coordenados com os Estados Unidos e França foram “legalmente corretos” e que tiveram como objetivo defender o povo sírio.

Outras das acusações que têm chegado do líder do Labour, é que May aceitou o ataque por ordem do presidente norte-americano. A primeira-ministra britânica desmentiu o seu opositor e reiterou que decidiu juntar-se a Washington e a Paris por considerar que tal era o mais correto.

“Não podemos permitir que o uso de armas químicas seja normalizado, seja na Síria, nas ruas do Reino Unido ou em qualquer outro lugar”, começou por dizer May. Por isso, continuou, “não o fizemos [bombardear a Síria] porque o presidente Trump nos pediu, fizemo-lo porque acreditámos que era o mais correto a fazer. E não estamos sozinhos”, rematou.

Depois, Theresa May garantiu ter em sua posse provas de que o regime de Assad usou, mais do que uma vez, armas químicas contra a sua população. Entre estes dados na posse dos aliados está a informação de que helicópteros do regime sírio sobrevoaram a região de Douma momentos antes de surgirem imagens do alegado ataque químico, que causou dezenas de mortes. Nesse ataque, afirma a primeira-ministra britânica, foram utilizadas bombas-barril, lançadas de helicópteros.

“Nenhum outro grupo poderia ter levado a cabo o ataque. A oposição não tem helicópteros nem utiliza bombas de barril. E o Daesh [acrónimo árabe para o autodesginado Estado Islâmico] não tem, sequer, presença em Douma”, rematou May.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.