Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 11º

Edição

National Geographic reconhece "cobertura racista" durante várias décadas

Edição de abril da revista norte-americana assinala os 50 anos do assassinato de Martin Luther King Jr. e pretende questionar a questão racial. Em editoral, a editora da National Geographic admite que, ao longo dos anos, a revista perpetuou "todo o tipo de cliché" sobre vários grupos étnicos.

National Geographic reconhece "cobertura racista" durante várias décadas
Notícias ao Minuto

17:57 - 13/03/18 por Pedro Bastos Reis 

Mundo Revista

A revista norte-americana National Geographic admitiu que durante várias décadas contribuiu para o racismo. “A nossa cobertura foi racista. Para enfrentarmos o nosso passado, temos de o conhecer” é o título do editoral da edição de abril.

Nesse texto, assinado pela editora Susan Goldberg, a National Geographic reconhece que sempre privilegiou brancos norte-americanos, apresentando grupos diferentes como exóticos ou selvagens, propaganda “todo o tipo de cliché”.

Para fazer este exercício de introspeção, a revista pediu a um investigador da Universidade da Virginia para analisar as edições da revista no que diz respeito à cobertura dada aos diversos grupos étnicos.

“O que [John Edwin] Mason descobriu, em suma, foi que até 1970 a National Geopgraphic ignorou pessoas de cor a viver nos Estados Unidos, raramente as reconhecendo para além de trabalhadores ou funcionários domésticos. Entretanto, descrevia os ‘nativos’ de outros lugares como exóticos, frequentemente sem roupas, caçadores felizes e nobres selvagens, todo o tipo de cliché”, escreveu Susan Goldberg.

O investigador referiu ainda que as representações dos “nativos” criavam uma ideia de “nós contra eles” e de “civilizados contra não civilizados”.

A edição de abril da revista marca os 50 anos do assassinato de Martin Luther King Jr. e é dedicada à questão racial, uma oportunidade para “confrontar o uso do racismo como estratégia política”.

O dia 4 de abril marca o 50.º aniversário do assassinato de Marthin Luther King. É um momento em que vale a pena dar um passo atrás, para percebermos onde estamos na questão racial”, afirmou Susan Goldberg.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório