Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2018
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 12º

Edição

Primeiro-ministro da Etiópia apresenta demissão após violentos protestos

O primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, apresentou hoje no Parlamento uma "carta de resignação", um dia depois da maior manifestação de protesto em 25 anos contra o Governo, noticiou hoje a estação pública de televisão local.

Primeiro-ministro da Etiópia apresenta demissão após violentos protestos
Notícias ao Minuto

13:19 - 15/02/18 por Lusa

Mundo Hailemariam Desalegn

"O primeiro-ministro disse ter tentado um último esforço para resolver a crise no país e agora apresentou uma carta de resignação como parte da solução", indicou a cadeia de televisão Fana que, citando fontes oficiais, referiu que não está claro se a Câmara de Deputados irá aceitar a demissão.

A Etiópia tem sido assolada nos últimos meses por protestos e manifestações a exigir maiores liberdades, iniciativas reprimidas pelas forças de segurança e que causaram a morte a dezenas de etíopes e a detenção de milhares de outros.

Nas últimas semanas, o Governo da Etiópia, país que tem uma das economias que mais rapidamente crescem em África, decidiu libertar cerca de 6.500 detidos, entre dirigentes da oposição, jornalistas e destacados académicos e intelectuais.

A libertação foi feita em janeiro pelo próprio primeiro-ministro etíope, decisão que surpreendeu o país, tanto mais que o argumento utilizado, após meses de repressão, foi o de querer "alargar o espaço democrático a todos" os cidadãos.

Segundo a Fana, Desalegn, 53 anos, irá continuar em funções até à conclusão do processo de transição, ao mesmo tempo que deixará também funções de deputado do partido Frente Revolucionária e Democrática Popular Etíope (EPRDF, na sigla inglesa).

A contestação e a luta por maiores liberdades na Etiópia começaram em 2015 e, inicialmente, envolveram apenas as populações das províncias de Oromia e de Amhara antes de se espalharem ao resto do país, obrigando à imposição do Estado de Emergência.

O Governo etíope é acusado há muito por várias organizações internacionais de prender jornalistas críticos ao regime e de dirigentes da oposição "apenas por serem desfavoráveis" ao executivo.

Desalegn, que foi secretário-geral da União Africana em 2013, está no poder desde 2012, após a morte do antigo presidente e ditador Meles Zenawi, de quem foi ministro dos Negócios Estrangeiros e depois vice-primeiro-ministro, antes de assumir a chefia do executivo.

O presidente da Etiópia, Mulatu Teshome Wirtu, no cargo desde 2013, ainda não se pronunciou sobre a demissão de Desalegn.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.