Meteorologia

  • 24 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Caracas acusa EUA de impedir desenvolvimento internacional venezuelano

O Governo venezuelano acusou hoje o Departamento do Tesouro (DE) dos Estados Unidos de atuar como um "tribunal da inquisição" e de impedir o desenvolvimento da Venezuela no mercado internacional.

Caracas acusa EUA de impedir desenvolvimento internacional venezuelano
Notícias ao Minuto

06:03 - 14/11/17 por Lusa

Mundo Venezuela

O Escritório de Controlo de Ativos Estrangeiros (Ofac) do DE "acabou com as poucas vias que ainda permitiam que a Venezuela se desenvolvesse amplamente no mercado financeiro internacional", disse o vice-presidente da Venezuela.

Tareck El Aissami falava em Caracas, no Palácio Branco, num encontro com detentores da dívida do Estado venezuelano e da empresa estatal Petróleos da Venezuela SA (PDVSA), durante o qual denunciou o "bloqueio" e "cerco financeiro" a que a Venezuela está sendo submetida.

A reunião em que, segundo a imprensa venezuelana, participaram uma centena de credores, teve uma duração de apenas 30 minutos e conclui sem apresentação de propostas de reestruturação e refinanciamento dos títulos de dívida venezuelanos, sem que os participantes tivessem a oportunidade de fazer perguntas.

Segundo Tareck El Aissami, a Ofac "atua como um tribunal da inquisição" e, "pretende diminuir" a capacidade que a Venezuela tem "para relacionar-se com o mundo", uma ação respaldada pelo Governo dos EUA, que conta com o apoio de fatores da oposição venezuelana.

Aissami, que preside a Comissão Presidencial para renegociar os termos da dívida externa e da petrolífera venezuelana, insistiu que a reestruturação convocada pelo Presidente Nicolás Maduro, tem como propósito superar as agressões financeiras norte-americanas e garantir atenção social ao povo venezuelano.

Por outro lado explicou que a pesar dos ataques "a Venezuela está blindada para buscar financiamento no que historicamente tem sido o nosso mercado", encontrando-se "na necessidade de sugerir novas fórmulas para sair desta complexidade".

"Temos cumprido sempre, tanto no tempo de auge petrolífero, como nos tempos de declive do mercado petrolífero nacional e internacional, mesmo com muito sacrifício temos pago até o último cêntimo dos nossos serviços de dívida, o que nos faz credores de um histórico irrepreensível que continua gerando confiança e que ganhámos a pulso", disse.

Em 03 de novembro último, a Venezuela convocou os detentores de títulos de dívida do Estado para uma reunião, que decorrerá na segunda-feira, com o objetivo de renegociar o pagamento da dívida.

A convocatória foi feita pelo vice-presidente da Venezuela, Tarek El Aissami, que também é presidente da comissão especial para o refinanciamento da dívida externa venezuelana.

Em 02 de novembro último, o Presidente, Nicolás Maduro, anunciou uma reestruturação e refinanciamento total da dívida externa do país e dos títulos da Petróleos da Venezuela SA (PDVSA).

Domingo, o Presidente Nicolás Maduro insistiu que a Venezuela "nunca" se declarará em 'default' (incumprimento de pagamentos) e voltou a convocar os detentores de títulos da dívida para uma reunião para proceder à sua reestruturação e refinanciamento.

"Estão a especular que a Venezuela se declarará em 'default'. Nunca. O 'default' nunca chegará à Venezuela. A Venezuela sempre terá uma estratégia clara e agora a nossa estratégia é renegociar e refinanciar toda a dívida", disse Nicolás Maduro.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório