Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2017
Tempo
11º
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Trump cancelará acordo nuclear com Irão se "falhas" não forem corrigidas

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu hoje que, caso não consiga corrigir as "falhas" do acordo nuclear com o Irão através da ação do Congresso ou de negociações internacionais, vai abandonar o pacto.

Trump cancelará acordo nuclear com Irão se "falhas" não forem corrigidas
Notícias ao Minuto

18:52 - 13/10/17 por Lusa

Mundo Estados Unidos

"Caso não alcancemos uma solução, o acordo será cancelado", disse o chefe de Estado norte-americano, numa declaração a partir da Casa Branca para anunciar a estratégica da atual administração dos Estados Unidos em relação ao Irão e ao acordo sobre o programa nuclear iraniano alcançado em 2015.

Apesar de manter o acordo, Trump afirmou que recusa-se a certificar o acordo, que qualificou como "um dos piores". E insistiu que Teerão não respeita o espírito do documento.

"Qual é o sentido de um acordo que está apenas a atrasar a capacidade nuclear por um curto período de tempo? Isso é inaceitável para o Presidente dos Estados Unidos", referiu Trump, reforçando que este acordo, que permitiu apenas "inspeções fracas", só está a adiar, a curto prazo, os avanços do Irão para desenvolver uma arma nuclear.

"Pedi à minha administração para trabalhar em estreita colaboração com o Congresso e com os nossos aliados para preencher as várias e graves falhas do acordo, de forma a evitar que o regime iraniano ameace o mundo com armas nucleares", prosseguiu.

Ao ter anunciado que não certificava o acordo, ou seja, na opinião de Trump Teerão não está a cumprir os compromissos do pacto nuclear, o Presidente autorizou, em termos técnicos, que o Congresso norte-americano reponha, dentro de um prazo de 60 dias, as sanções norte-americanas que foram suspensas em troca das concessões iranianas.

Momentos antes desta declaração de Trump, o chefe da diplomacia norte-americana, Rex Tillerson, já tinha indicado que Washington não ia retirar-se do pacto multilateral, apesar deste não servir os interesses dos Estados Unidos.

Na mesma intervenção, Donald Trump lançou violentas acusações ao Irão, denunciando o comportamento da "ditadura iraniana" e do "regime fanático" de Teerão, que aos seus olhos é um dos principais "apoiantes do terrorismo" no mundo.

Teerão "semeou a morte, a destruição e o caos em todo o mundo" e "a agressão da ditadura iraniana continua até hoje", disse ainda.

O líder norte-americano divulgou ainda a aplicação de novas e "duras" sanções contra os Guardiões da Revolução, o exército de elite iraniano.

Os Guardiões da Revolução "desviaram vastas partes da economia iraniana e apoderaram-se de doações religiosas para financiar a guerra e o terror no estrangeiro", acusou Trump, indicando que autorizou o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos a aplicar mais sanções a este grupo.

O acordo nuclear entre o Irão e o grupo de países 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU -- Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China -- e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena, ainda sob a alçada da administração do Presidente Barack Obama (democrata).

O acordo foi assinado com o objetivo de garantir a natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear iraniano.

Desde que entrou em vigor, a 16 janeiro de 2016, a administração americana certifica-se, a cada 90 dias, perante o Congresso, de que Teerão está a respeitar os termos acordados e se o pacto favorece o "interesse nacional" dos Estados Unidos.

Essa certificação é feita ao abrigo de uma lei aprovada pelo Congresso, conhecida pela sigla INARA.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório