Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2017
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 13º

Edição

Coreia do Sul teme fim da proteção dos EUA após míssil balístico do Norte

A imprensa sul-coreana considera hoje que o último teste de míssil de Pyongyang, que colocou boa parte dos Estados Unidos ao seu alcance, fez nascer um novo medo em Sul: o fim da proteção norte-americana.

Coreia do Sul teme fim da proteção dos EUA após míssil balístico do Norte
Notícias ao Minuto

10:42 - 02/08/17 por Lusa

Mundo Míssil

A questão surge nos editoriais de dois influentes jornais sul-coreanos, o JoongAng Ilbo e o Chosun Ilbo, e refletem um outro receio: o de uma ação militar norte-americana.

"Poderá a administração [do Presidente norte-americano Donald] Trump proteger-nos de um ataque vindo do Norte, se tal ação expuser cidades norte-americanas a um ataque nuclear", questiona em editorial o JoongAng Ilbo.

O teste de um míssil balístico intercontinental (ICBM) realizado na sexta-feira passada por Pyongyang deixou grandes cidades dos Estados Unidos, como Los Angeles ou Chicago, ao alcance de um potencial ataque do regime de Kim Jong-un.

Que o Norte consiga dotar-se de um míssil operacional, armado com uma ogiva nuclear capaz de atingir os Estados Unidos parece ser "apenas uma questão de tempo", acrescenta o JoongAng Ilbo.

Na altura em que isso aconteça, a resposta dos Estados Unidos "poderá não ser sim", conclui o jornal.

A dúvida é partilhada pelo Chosun Ilbo, um dos maiores jornais sul-coreanos, ao afirmar que: "É difícil estar à espera da ajuda dos Estados Unidos" se acontecer um ataque nuclear contra o continente americano.

"O pior cenário seria a retirada das tropas norte-americanas da península. É o que quer o Norte (...) uma situação que os sul-coreanos mal conseguem imaginar, mas real, é para lá que caminhamos", sublinha.

Os Estados Unidos são o garante da segurança do Sul democrático e capitalista, onde estão estacionados 28.500 soldados norte-americanos. A Guerra da Coreia (1950-53) terminou sem a assinatura de um tratado de paz, e as forças de Washington estão encarregadas de defender Seul de Pyongyang.

Esta aliança é também um dos pilares da estratégia geopolítica norte-americana na Ásia, onde a China, que procura desenvolver um poderio militar mais adequado ao poderio económico, começa a mostrar a sua força.

Apesar de todas as garantias de responsáveis norte-americanos de "apoio firme" à Coreia do Sul, o resultado do último teste de Pyongyang significa que o regime conseguiu progressos tecnológicos rápidos e importantes, desde que Kim Jong-un chegou ao poder, no final de 2011.

Analistas são unânimes em duvidar das capacidades do Norte na miniaturização de uma ogiva nuclear, de modo a poder ser instalada num míssil, ou ainda que o regime domine a tecnologia de reentrada dos mísseis na atmosfera.

Os sul-coreanos receiam também um possível ataque preventivo de Washington contra o Norte, que teria consequências desastrosas, mesmo se Pyongyang não usar armas nucleares.

Seul, que fica a 40 minutos da Zona Desmilitarizada (DMZ) entre as Coreias, está ao alcance da artilharia norte-coreana e corre o risco de ser destruída num ataque.

Para Jeung Young-tae, diretor de Estudos Militares na universidade Dongyang, o regime norte-coreano passou uma "linha vermelha" com o último teste deste ICBM que "representa uma ameaça aparentemente tangível para a segurança dos Estados Unidos".

Não se pode excluir "uma ação militar unilateral norte-americana" e, portanto, o risco de conflito militar "nunca foi tão grande", disse à agência noticiosa France Presse (AFP).

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório