Candidatos presidenciais franceses exprimem solidariedade com polícia

Os candidatos às eleições presidenciais francesas, cuja primeira volta se realiza no domingo, expressaram na quinta-feira à noite solidariedade com as forças policiais, após o tiroteio que matou um polícia e feriu outros dois, em Paris.

© Reuters
Mundo Paris

Os 11 candidatos participaram hoje à noite num programa de televisão, na mesma altura em que ocorreu o ataque, cerca das 21h00 em Paris, menos uma hora em Lisboa.

PUB

O candidato conservador, François Fillon, e a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, anunciaram durante as entrevistas televisivas que iriam cancelar as ações previstas para o último dia de campanha antes da primeira volta das eleições presidenciais, no próximo domingo.

"A luta contra o terrorismo deve ser a prioridade absoluta do próximo Presidente da República", sublinhou Fillon, na sua última intervenção no programa de entrevistas de 15 minutos a todos os candidatos presidenciais, emitido pela cadeia pública "France 2".

O candidato da direita aproveitou para recordar as suas propostas nesta área, em particular a de "uma mobilização mundial" mediante "uma coligação internacional contra o totalitarismo islâmico", que, defendeu, não deveria limitar-se à que é atualmente liderada pelos Estados Unidos, mas que deveria incluir também países como a Rússia e o Irão, para ser eficaz.

Fillon recordou também a sua proposta de impedir o regresso a França dos cidadãos que se tenham integrado em grupos extremistas de combate na Síria e no Iraque, a quem pretende aplicar uma disposição penal dos anos 1930 para lhes retirar a nacionalidade.

O líder conservador considerou que no contexto gerado pelo atentado "não tem sentido continuar com a campanha eleitoral", depois de ter mostrado "solidariedade" com a polícia.

Marine Le Pen disse que o ataque de quinta-feira à noite nos Campos Elísios mostra que "o pesadelo começou novamente" e descreveu ter sentido "uma raiva surda" porque, na sua opinião, "não está a ser feito tudo para proteger" os franceses das ameaças terroristas.

A presidente da Frente Nacional rejeitou a ideia de que as pessoas devem habituar-se ao "terrorismo islamista" e propôs "um plano de ataque" que passaria pelo "restabelecimento do controlo das fronteiras" de França e por "pôr fim ao laxismo e à ingenuidade".

Para Le Pen, as forças da ordem "esperam algo mais que compaixão, esperam meios" para enfrentar o risco de atentados.

O candidato independente liberal Emmanuel Macron, favorito nas sondagens para vencer as eleições, alertou que estas ameaças "farão parte do quotidiano nos próximos anos".

Macron, que sublinhou que a missão principal do chefe de Estado é, precisamente, proteger a população, defendeu que não há que "ceder ao medo" nem "dar a impressão de que se cedeu".

O candidato da esquerda-radical, Jean-Luc Mélenchon, além de enviar "uma mensagem emocionada" aos familiares do agente assassinado, esforçou-se para garantir que "os criminosos não ficarão impunes" em França, e que os cúmplices também não serão esquecidos.

Mélenchon pediu à população para que não ceda ao pânico e que não se interrompa o "processo democrático" das eleições.

"Este acontecimento recorda-nos que estamos no centro de uma crise, caracterizada pelo ataque de forças que detestam a nossa democracia", disse o socialista Benoît Hamon, que defendeu a necessidade de se ser "implacável com essas forças".

A primeira volta das eleições presidenciais está marcada para domingo. Os dois candidatos mais votados avançam para a segunda ronda, prevista para dia 07 de maio.

Quatro candidatos estão em posição de se qualificarem para a segunda volta: Marine Le Pen, Emmanuel Macron, François Fillon e Jean-Luc Mélenchon, da esquerda.

Macron e Le Pen lideram as sondagens, seguidos por Mélenchon, que tem uma pequena vantagem sobre o candidato da direita.

Um polícia foi morto e dois ficaram gravemente feridos na quinta-feira à noite, quando um homem disparou contra o veículo em que seguiam na avenida dos Campos Elísios, no centro de Paris.

O atacante foi morto por outros agentes da polícia francesa e um transeunte foi também atingido.

"O agressor chegou de carro, saiu. Abriu fogo contra o carro da polícia com uma arma automática, matou um dos polícias", disse fonte policial citada pela AFP.

Uma turista ficou "ligeiramente ferida por bala" durante a troca de tiros, acrescentou outra fonte policial.

O Presidente francês, François Hollande, que convocou um Conselho de Segurança para a manhã de hoje, afirmou que o caso está a ser investigado pela secção antiterrorista da procuradoria de Paris e que as pistas que poderão conduzir a investigação "são de ordem terrorista".

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou já o ataque, através de um comunicado divulgado pelo órgão de propaganda do EI, a Amaq.

"O autor do ataque nos Campos Elísios, no centro de Paris, é Abu Yussef, 'o Belga', e é um dos combatentes do Estado Islâmico", relatou a Amaq.

As autoridades francesas afirmaram que o autor do ataque estava identificado como extremista por ter manifestado a intenção de matar polícias, segundo fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP.

O ataque ocorre a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser