Meteorologia

  • 25 JULHO 2017
Tempo
31º
MIN 28º MÁX 33º

Edição

Neste 'negro' ano, demasiadas estrelas partiram. Fica o seu grande legado

Um novo ano está a chegar e todos esperam que seja melhor que 2016. Fica deste ano a sensação de demasiadas perdas. De janeiro a dezembro, na política à música, passando pelo cinema, pintura, televisão e defesa de nobres causas, muitas foram as personalidades que partiram, tendo algumas deixado o país e o mundo em choque. O Notícias ao Minuto recorda, neste último dia do ano, essas estrelas que hoje brilham noutros palcos mas que por cá deixaram para sempre históricos legados.

David Bowie, músico - Morreu dia 10 de janeiro de doença prolongada. Tinha 69 anos

Notícias ao Minuto

08:47 - 31/12/16 por Ana Lemos

Mundo 2016 em revista

Diz a sabedoria popular que anos bissextos são ‘negros’ e repletos de tragédias. A verdade é que 2016, que hoje completa os (malditos) 366 dias, é disso um bom exemplo. De acidentes com aviões, a atentados terroristas, aos chocantes naufrágios no Mediterrâneo, foram milhares as vidas perdidas no ano que hoje termina.

Se estas mortes foram, frequentemente, notícia em todo o mundo, muitas outras houve (algumas inesperadas) que não deixaram ninguém indiferente. O legado deixado em terra ficará para a história por em vida terem sido personalidades diferentes dos demais.

Logo no arranque de 2016, partiu o ‘camaleão do Rock’. David Bowie tinha 69 anos e tinha lançado há poucos dias o seu último álbum ‘Blackstar’. No mesmo mês, o país chorou a morte do histórico socialista Almeida Santos e do ator José Boavida, com apenas 51 anos.

O que não se esperava era que os meses que a janeiro se seguiram fossem tão 'cinzentos'. Depois da partida do escritor italiano Umberto Eco, o adeus do ator, produtor e realizador Nicolau Breyner ‘apanhou’ todos de surpresa. Mas as tristes notícias de fevereiro não se ficaram por aqui. A antiga glória do Barça, Johan Cruyff, morreu dias depois.

Quando entrámos em abril, o 'cenário' não melhorou. Ainda o mundo da música tentava reerguer-se da partida de Bowie e outro músico de peso internacional morria inesperadamente: ‘o príncipe’ Prince. Antes já o teatro português tinha perdido o ator Francisco Nicholson.

Chegados a junho, já sem o árbitro Paulo Paraty, o icónico jornalista Morley Safer, o artista plástico Querubim Lapa, entre outros, surge a notícia da partida de Muhammad Ali e, poucos dias depois, do sociólogo Paquete de Oliveira e do ator e realizador Bud Spencer.

Em julho, o país mergulhou em mais perdas. Morreu o ator Camilo de Oliveira, a antiga glória do futebol, Artur Correia, e o ‘senhor do atletismo’ Moniz Pereira. Já agosto ficou marcado pelas partidas de Margarida de Sousa Uva (mulher de Durão Barroso), da ‘menina da rádio’ Maria Eugénia, e de uma série de outros tantos atores nacionais e internacionais.

No mês seguinte partiu o antigo presidente da Assembleia da República, Barbosa de Melo, o escultor José Rodrigues e no mesmo dia o artista plástico Mário Silva. A eles seguiram-se o bastonário Domingues Azevedo, a atriz transgénero Alexis Arquette, e o antigo presidente de Israel e Nobel da Paz, Shimon Peres.

O ‘velho capitão’ Mário Wilson morreu no arranque de outubro, deixando o país, o futebol e, em particular, o Benfica de luto. Além fronteiras, chegava da Tailândia a morte do seu rei, o monarca há mais tempo no poder. Foi também neste mês que partiram José Lello (antigo ministro), Jaime Fernandes (provedor do telespectador), e o neurocirurgião João Lobo Antunes.

E em novembro, novo choque no mundo da música com a partida do visionário Leonard Cohen, no mesmo mês em que morreu o comandante Fidel Castro, o conselheiro de Estado Alfredo Bruto da Costa e o ator Carlos Santos.

Mas este ano 'negro' não tinha ainda acertado todas as contas. Dezembro chegou e depressa começou a acrescentar mais nomes à já longa lista de perdas. Depois da morte dos atores Manuel Bola, Alan Thicke, e Zsa Zsa Gabor, seria mesmo o ‘Last Christmas’ do músico George Michael, cujas causas da morte ainda estão por apurar. E estava ainda o mundo das artes a tentar recompor-se desta perda quando a Princesa Leia, Carrie Fisher, partiu. A mãe, também atriz, Debbie Reynolds não resistiu ao desgosto e dois dias depois rumou para junto da filha.

Estas e muitas outras perdas irreparáveis aconteceram num só ano, o de 2016, que muitos anseiam, por isso, que termine depressa. Foram demasiadas e grandes as perdas que ficarão para a história deste malfadado ano. Que 2017 não seja tão cinzento...é o desejo de todos.

Campo obrigatório