Agência de Segurança proibe novos implantes de coração artificial

A agência francesa de Segurança do Medicamento decidiu proibir o sistema de implante de coração artificial desenvolvido pela empresa Carmat após a morte do quinto paciente que experimentou o novo método, noticiou hoje a agência EFE.

© DR
Mundo França

O anúncio da autoridade sanitária francesa foi feito depois da empresa Carmat revelar que o primeiro paciente do chamado estudo "PiVOT", no qual foi implantado um coração artificial, em finais de agosto, havia morrido.

PUB

A empresa francesa salientou, em comunicado, que "as análises realizadas não demonstraram que o implante teve implicações na morte" do paciente.

Numa primeira fase, desde finais de 2013 até início de 2016, quatro pessoas receberam o coração artificial da Carmat.

Todos os pacientes morreram, mas em dois casos conseguiram uma sobrevivência superior a 30 dias desde a data do implante, abrindo caminho ao lançamento do estudo "Pivot".

A Carmat insiste que o mecanismo funcionou "normalmente nos últimos implantes" e que por isso "não deixará de estar motivada a encontrar uma alternativa para os pacientes que se encontrem em falha cardíaca total".

A empresa argumenta que o seu objetivo é colmatar a falha notória de doação de órgãos para as dezenas de milhares de pessoas que sofrem de insuficiência cardíaca terminal.

Só na Europa e nos Estados Unidos estima-se que esta doença atinja 20 milhões de pessoas.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS