Grupo da ONU mantém que Assange é vítima de detenção arbitrária

Um Grupo de Trabalho da ONU mantém a opinião de que o fundador da WikiLeaks Julian Assange é vítima de detenção arbitrária, tendo rejeitado um pedido do Reino Unido para rever o caso, foi hoje divulgado.

© Reuters
Mundo WikiLeaks

O Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária considerou que o Reino Unido não apresentou informação nova suficiente para merecer uma nova análise do caso. A decisão do grupo foi tomada a semana passada, informou hoje o serviço de direitos humanos das Nações Unidas.

PUB

Em fevereiro, o grupo considerou que o Reino Unido e a Suécia "detiveram arbitrariamente" Assange e que o deveriam compensar por isso.

Os dois países consideraram que a decisão da ONU não era vinculativa.

Assange refugiou-se na embaixada do Equador em Londres em 2012, onde continua, para evitar a prisão e extradição para a Suécia, onde é suspeito de crimes sexuais. Declarou temer poder ser enviado para os Estados Unidos onde poderá ser julgado pela divulgação de documentos classificados pela WikiLeaks.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser