Primeiro-ministro garante que remodelação não afeta ritmo do governo

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, garantiu hoje que a remodelação do governo e a reformulação de alguns ministérios com a entrada de novos ministros para o executivo "não vai trazer nenhuma quebra no ritmo do governo".

© DR
Mundo São Tomé

"Eu estou convencido que essa remodelação não vai trazer nenhuma quebra no ritmo do governo e vamos continuar assim até o fim da legislatura para o bem de São Tomé e Príncipe", disse Patrice Trovoada aos jornalistas.

PUB

O chefe do executivo são-tomense falava no palácio presidencial, no final da investidura dos seis membros do governo, dois dos quais reconduzidos e com funções reforçadas, e sublinhou que os novos ministros "são personalidades com bastante experiência, que conhecem bem a realidade do nosso país, conhecem bem a administração".

A investidura hoje dos novos membros do XVI governo constitucional são-tomense surge menos de 24 horas depois de o presidente são-tomense, Evaristo de Carvalho ter exonerado e nomeado por decreto os antigos e novos membros do governo liderado por Patrice Trovoada.

Patrice Trovoada manteve no novo governo Afonso da Graça Varela da Silva no cargo de ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, enquanto Arlindo Ramos, que exercia as funções de ministro da Administração Interna, passa a ter também sob sua tutela a pasta da Defesa, e Américo de Oliveira Ramos, que no governo cessante já era ministro das Finanças e Administração Pública, continuará a tutelar as Finanças, agora acrescido de Comércio e Economia Azul.

Carlos Manuel Vila Nova mantém-se nas Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Olinto da Silva Daio também se mantém na Educação, Cultura e Ciência e agora passa a tutelar também a Comunicação, que anteriormente estava sob tutela de Afonso Varela.

Teodorico de Campos continuará com a pasta da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Maria de Jesus Trovoada dos Santos mantém-se nas funções de ministra da Saúde, e Marcelino Leal Sanches, nome que também era dado até fora do novo elenco, matem-se nas pastas da Juventude e Desportos.

Ilza dos Santos Amado Vaz, que até agora exercia as funções de diretora geral das Alfândegas, passa a ministra da Justiça, Administração Pública e Direitos Humanos.

Urbino Botelho, que exerceu o cargo de embaixador e foi diretor da Cooperação Multilateral, substitui Salvador dos Ramos no cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, enquanto Emílio Fernandes Lima passou a ocupar o cargo de ministro do Emprego e Assuntos Sociais, deixado por Carlos Gomes.

De acordo com os decretos, a estrutura do atual governo passa a ter a seguinte composição:

 

Patrice Emery Trovoada - Primeiro-ministro e Chefe do Governo

Afonso da Graça Varela da Silva - Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares

Arlindo Ramos - Ministro da Defesa e Administração Interna

Américo d'Oliveira Ramos - Ministro das Finanças, Comercio e da Economia Azul

Carlos Manuel Vila Nova - Ministro das Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente

Olinto da Silva Daio - Ministro da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação

Teodorico de Campos - Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Maria de Jesus Trovoada dos Santos - Ministra da Saúde

Marcelino Leal Sanches - Ministro da Juventude e Desporto

Ilza dos Santos Amado Vaz - Ministra da Justiça, Administração Pública e Direitos Humanos

Urbino José Gonçalves Botelho - Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades

Emílio Fernandes Lima - Ministro do Emprego e Assuntos Sociais

Fonte da Presidência da República disse à Lusa que os novos membros do executivo serão investidos hoje em cerimónia no Palácio Presidencial.

O primeiro-ministro disse na última sexta-feira que o novo formato do governo se enquadra no "novo momento político e os novos desafios" do país.

 

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS