Irmão do assessor do ex-Presidente chinês admite ter aceitado subornos

O irmão do braço direito do antigo Presidente da China Hu Jintao confessou ter aceitado subornos, avançou hoje a imprensa estatal, no culminar de um caso que começou com um acidente de Ferrari em Pequim.

© Reuters
Mundo Pequim

Ling Zhengce admitiu em tribunal ter aceitado mais de 2,4 milhões de dólares (2,1 milhões de euros) em subornos, avançou a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

PUB

"Ele confessou e expressou remorsos" na sua declaração final, escreveu a agência.

O seu irmão, Ling Jihua - antigo assessor de Hu Jintao - foi condenado à prisão perpétua, em julho passado, por corrupção, obtenção ilegal de segredos de Estado e abuso de poder.

Ling Jihua caiu em desgraça quando o seu filho morreu ao volante de um Ferrari, em março de 2012, num episódio que abalou a liderança chinesa e coincidiu com o período de transição na cúpula do poder na China.

Quase quatro anos depois daquele acidente, muitos pormenores continuam a ser segredo de Estado.

O outro irmão Ling Wancheng fugiu para os Estados Unidos da América, segundo confirmou em janeiro o órgão anticorrupção do Partido Comunista Chinês, admitindo contactos com Washington visando a sua extradição.

Após ascender ao poder, em 2012, o Presidente chinês, Xi Jinping, adotou o combate à corrupção como uma das suas prioridades.

O combate à corrupção é encarado pela atual liderança chinesa como uma "luta de vida ou de morte" para restaurar a credibilidade do Partido Comunista e assegurar a sua permanência no poder.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS