Meteorologia

  • 31 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 4º MÁX 14º

Governo polaco demite ministro por omissão de projecto russo

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, anunciou esta sexta-feira que demitiu o ministro do Tesouro, Mikolaj Budzanowski, por este não o ter informado sobre o projecto da empresa russa Gazprom de construir um novo gasoduto entre a Rússia e a UE.

Governo polaco demite ministro por omissão de projecto russo
Notícias ao Minuto

16:24 - 19/04/13 por Lusa

Mundo Gasoduto

"A fim de restabelecer o controlo total do Ministério do Tesouro sobre empresas estratégicas do Estado, decidi demitir das suas funções de ministro Mikolaj Budzanowski. Ele será substituído por Wlodzimierz Karpinski, actual vice-ministro da Administração" declarou Tusk à imprensa.

O anúncio, feito no início de Abril pelo presidente russo, Vladimir Putin, de um projecto para reforçar o gasoduto Yamal-Europa através da Bielorrússia e da Polónia, surpreendeu Varsóvia.

Tusk disse que não foi informado de um memorando de entendimento assinado em São Petersburgo, no passado dia 05, pela Gazprom e a Europol Gaz, o operador do Yamal-Europa, propriedade da Gazprom, com a PGNiG polaca.

O primeiro-ministro frisou hoje que a assinatura deste documento, que não é vinculativo, "não trouxe qualquer prejuízo para os interesses do Estado polaco."

De acordo com a Gazprom, a construção de um novo ramal rumo à Eslováquia e Hungria poderia começar em 2018-2019, com uma capacidade projectada de cerca de 15 mil milhões de metros cúbicos por ano.

As autoridades polacas temem que o novo gasoduto seja apenas utilizado como meio de pressão sobre a Ucrânia, o principal país de trânsito actual para o gás russo, na disputa de gás entre Moscovo e Kiev.

A Rússia pôs em funcionamento, em 2011, o gasoduto Nord Stream para a Alemanha sob o Mar Báltico, e, em Dezembro, começou a construção do South Stream, que deve alimentar, a partir do final de 2015, o sul da Europa através do Mar Negro.

Com mais de 2.000 quilómetros de comprimento, o Yamal-Europa fornece através da Bielorrússia o mercado europeu, para o qual a Gazprom fornece um quarto do consumo. Em 2006, atingiu a capacidade atual de 32,9 mil milhões de metros cúbicos por ano.

A Polónia consome anualmente cerca de 14 mil milhões de metros cúbicos de gás, dos quais 60% são importados da Rússia.

Decidida a diversificar as suas fontes de abastecimento, Varsóvia lançou a construção de um terminal marítimo para gás liquefeito (GNL), de um sistema de gasodutos internos, de interconexões com os sistemas de gás dos países vizinhos e de reservatórios de gás.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório