Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
21º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Acelerador de partículas do CERN pára dois anos para manutenção

O acelerador de partículas que em 2012 permitiu aos cientistas observarem pela primeira vez o que pensam ser o Bosão de Higgs começou esta quinta-feira a ser desligado para trabalhos de consolidação e manutenção que se prolongarão até 2015.

Acelerador de partículas do CERN pára dois anos para manutenção

O Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN) anunciou em comunicado que hoje às 07h24 (06h24 em Lisboa) a equipa do seu centro de controlo "extraiu os feixes" do LHC, o maior acelerador de partículas do mundo, iniciando a "conclusão bem-sucedida" dos primeiros três anos de operação da máquina.

O LHC, que provoca a colisão de partículas subatómicas umas com as outras para entender melhor o micro-momento após a criação do Universo, há 14 mil milhões de anos, e a constituição da matéria nos seus componentes mais elementares, ficará completamente desligado no sábado e só voltará a funcionar em 2015.

O acelerador de partículas funciona num túnel circular de 27 quilómetros de extensão construído a uma profundidade de entre 50 e 175 metros na fronteira entre a Suíça e a França.

"Temos todas as razões para estarmos muito satisfeitos com os primeiros três anos do LHC", disse o dircetor-geral do CERN, Rolf Heuer, citado no comunicado da instituição. "A máquina, as experiências, as instalações informáticas e todas as infra-estruturas comportaram-se brilhantemente, e temos uma importante descoberta científica no bolso".

Heuer referia-se ao Bosão de Higgs, partícula subatómica que os cientistas acreditam ter observado pela primeira vez a 4 de Julho de 2012 no LHC, mas cuja existência foi teorizada há mais de 40 anos pelo físico britânico Peter Higgs como a chave para explicar de que forma as outras partículas elementares (que não são compostas de partículas mais pequenas), como os electrões e os quarks, têm massa.

Os investigadores do CERN dizem ter 99,9% de certeza de que a partícula observada é de facto o Bosão de Higgs.

Com um custo de 50 milhões de francos suíços (40 milhões de euros), a operação de consolidação e manutenção do LHC permitirá aumentar o nível de energia com que o acelerador faz colidir partículas umas contra as outras.

Isto é necessário para confirmar definitivamente que a partícula observada em Julho é o Bosão de Higgs, mas também para permitir ao LHC testar novas dimensões e características da matéria como a supersimetria e a matéria negra.

Entretanto, o CERN não estará inactivo: "Haverá muita física para fazer durante esta pausa de longa duração", disse o director de investigação do CERN, Sergio Bertolucci.

Entre outras coisas, os cientistas terão uma enorme quantidade de dados para analisar, já que, segundo o comunicado hoje divulgado, nas últimas semanas a quantidade de dados registados nos sistemas de memória do CERN superou o recorde de 100 petabytes, o equivalente a 700 anos de filmes de alta definição.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório