Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 25º

Quénia. Presidente demite quase totalidade do Governo após manifestações

O presidente do Quénia, William Ruto, demitiu hoje a quase totalidade dos seus ministros, com exceção do seu vice-Presidente e do ministro dos Negócios Estrangeiros, duas semanas após manifestações antigovernamentais em que morreram pelo menos 39 pessoas.

Quénia. Presidente demite quase totalidade do Governo após manifestações
Notícias ao Minuto

16:18 - 11/07/24 por Lusa

Mundo Quénia

Depois de "ouvir o que o povo do Quénia tem dito e após uma avaliação exaustiva do desempenho do meu Governo e das suas realizações e desafios, decidi hoje (...) demitir todos os membros com efeito imediato", anunciou o chefe de Estado numa conferência de imprensa no palácio presidencial.

 

Uma remodelação do Governo era esperada desde as manifestações em grande escala que se seguiram ao anúncio de novas reduções fiscais em junho, que levaram milhares de jovens a protestar nas ruas.

Apenas a ministra dos Negócios Estrangeiros, Musalia Mudavadi, e o vice-Presidente, Rigathi Gachagua, manterão as suas pastas, continuou Ruto.

"Vou iniciar imediatamente amplas consultas entre os diferentes setores e formações políticas, com o objetivo de definir um Governo com uma ampla base de apoio que me ajude a acelerar e a acelerar as medidas necessárias e urgentes", afirmou o chefe de Estado.

"Os recentes acontecimentos que obrigaram à retirada do projeto de lei das finanças e que exigirão uma revisão e uma reorganização do nosso orçamento (...) levaram-nos a um ponto de viragem", acrescentou Ruto.

Para o chefe de Estado, o novo Governo deverá permitir-lhe tomar "medidas radicais" para fazer face ao "peso da dívida", aumentar as oportunidades de emprego e combater a corrupção.

Em 26 de junho, o Presidente queniano retirou um controverso projeto de orçamento que incluía aumentos de impostos, um dia depois de jovens manifestantes terem invadido o parlamento.

A polícia disparou munições reais contra a multidão e de acordo com a agência oficial de proteção dos direitos humanos (KNHCR, na sigla em inglês), 39 pessoas morreram desde a primeira manifestação, em 18 de junho.

O Governo foi apanhado de surpresa pela dimensão do protesto apelidado de "Occupy Parliament", que surgiu nas redes sociais após a apresentação do orçamento no parlamento, em 13 de junho, e que encontrou um forte eco entre a "geração Z" (jovens nascidos depois de 1997).

O projeto de orçamento catalisou o descontentamento latente com o Presidente Ruto, que tinha sido eleito em agosto de 2022 com a promessa de defender os mais pobres, mas que depois aumentou a carga fiscal sobre a população.

Na sequência da retirada do projeto de orçamento, William Ruto anunciou um aumento do endividamento - de cerca de 169 mil milhões de xelins (1,2 mil milhões de euros) - e uma redução das despesas de cerca de 177 mil milhões de xelins (1,3 mil milhões de euros).

Ao mesmo tempo, a agência Moody's baixou a notação da dívida de longo prazo do Quénia, com uma perspetiva negativa.

A dívida pública do Quénia, a potência económica da África Oriental, ascende a cerca de 70% do produto interno bruto.

O orçamento para 2024-25 previa uma despesa recorde de 29 mil milhões de euros, financiada inicialmente por aumentos de impostos sobre o pão e, numa segunda versão, sobre os combustíveis.

Leia Também: Quénia pagará 72 mil euros à família de jornalista morto pela polícia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório