Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
35º
MIN 20º MÁX 37º

Perspetiva de conflito direto entre NATO e Rússia "é preocupante"

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, considerou hoje preocupante a perspetiva de um conflito direto entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), segundo declarações feitas à agência noticiosa oficial turca Anadolu.

Perspetiva de conflito direto entre NATO e Rússia "é preocupante"
Notícias ao Minuto

12:22 - 11/07/24 por Lusa

Mundo Erdogan

"A perspetiva de um conflito direto entre a NATO e a Rússia é preocupante", disse o chefe de Estado turco, que participa na cimeira da Aliança Atlântica em Washington.

 

Quarta-feira, na declaração final da cimeira da NATO, a ofensiva russa contra a Ucrânia foi tema central da reunião, com os aliados a prometerem um mínimo de 40 mil milhões de euros para apoiar em 2025 o esforço de guerra de Kiev, defendendo que se está perante um "caminho irreversível" para a adesão da ucraniana à Aliança Atlântica. 

Antes, Jens Stoltenberg aproveitou para defender a adesão da Ucrânia à Aliança Atlântica em caso de cessar-fogo no atual conflito, para evitar futuras agressões da Rússia.

"Se houver agora um novo cessar-fogo, um novo acordo, temos que estar 100% seguros de que [a Rússia] se detém ali, independentemente de onde estiver essa linha", indicou Stoltenberg durante o Fórum Público paralelo à Cimeira da NATO, que termina na quinta-feira com a reunião do Conselho NATO-Ucrânia. 

Destoando da unanimidade, o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, qualificou de irrealista uma futura adesão da Ucrânia à NATO, considerando que provocaria uma "ameaça de guerra" com a Rússia.

"Estão a tentar planear a aproximação da Ucrânia à NATO de tal forma que toda a gente com bom senso sabe que a adesão do país está fora de questão no futuro", afirmou o responsável, segundo o jornal diário Magyar Hirlap.

Depois do anúncio, na terça-feira, do envio de cinco sistemas de defesa aérea para a Ucrânia, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, anunciou que os países da NATO iniciaram a transferência de aviões de combate F-16 para a Ucrânia, a fim de fortalecer a defesa deste país contra a Rússia.

"Tenho o prazer de anunciar que, neste momento, a transferência de aeronaves F-16 está em andamento, da Dinamarca e dos Países Baixos", disse Blinken à margem da cimeira da NATO em Washington.

Na capital norte-americana, os líderes da NATO denunciaram o apoio de Pequim ao esforço de guerra russo na Ucrânia.

"O aprofundamento da parceria estratégica entre a Rússia e a China, bem como as suas tentativas combinadas de desestabilizar e remodelar a ordem internacional baseada no direito, suscitam profundas preocupações", refere a declaração final do Conselho do Atlântico Norte.

Hoje, em Moscovo, o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, avisou que a Rússia está a planear medidas para "contrariar a séria ameaça" representada pela NATO, considerada "de facto" totalmente envolvida no conflito em torno da Ucrânia.

"Somos obrigados a analisar muito cuidadosamente as decisões que foram tomadas, as discussões que tiveram lugar e analisar muito cuidadosamente o texto da declaração que foi aprovado. Trata-se de uma ameaça muito grave à segurança nacional", advertiu Peskov, citado pelas agência de notícias russas.

O porta-voz da Presidência da Rússia disse que a declaração de Washington vai suscitar medidas eficazes.

"(A declaração) vai obrigar-nos a tomar medidas ponderadas, coordenadas e eficazes para conter a NATO", disse Peskov, sem pormenorizar.

Leia Também: Erdogan admite poder convidar Presidente sírio a visitar a Turquia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório