Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 25º

Mudança de regime em Kyiv pode promover negociações de paz, diz Medvedev

Numa mensagem, partilhada no Telegram, Medvedev avaliou o que poderia acontecer se Kyiv aceitasse as condições de Moscovo, estabelecidas pelo presidente russo Vladimir Putin.

Mudança de regime em Kyiv pode promover negociações de paz, diz Medvedev
Notícias ao Minuto

16:14 - 10/07/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

O ex-presidente da Rússia e atual vice-presidente do Conselho de Segurança do país, Dmitry Medvedev, afirmou, esta quarta-feira, que uma mudança radical de regime em Kyiv pode promover conversações para resolver a situação na Ucrânia.

Numa mensagem, partilhada no Telegram e citada pela Tass, Medvedev avaliou o que poderia acontecer se Kyiv aceitasse as condições de Moscovo, estabelecidas pelo presidente russo Vladimir Putin.

As condições incluem a necessidade de aceitar o resultado da operação militar especial de Moscovo, o respeito pelas fronteiras constitucionais da Rússia e um estatuto de neutralidade para a Ucrânia.

No entanto, segundo Medvedev, mesmo que Kyiv, que rejeitou as condições da Rússia, acabe por as aceitar, Moscovo deve manter-se cauteloso, porque uma pausa nas operações militares por parte da Rússia poderia permitiria à Ucrânia reagrupar as suas forças.

Por sua vez, tudo isso poderia desencadear "uma nova terceira situação do tipo Maidan" na Ucrânia, que "varrerá o atual Governo, podendo levar ao poder alguém ainda mais radical".

"Por mais estranho que pareça, será nessa altura que serão criadas as condições para as conversações, em particular sobre a rendição [de Kyiv]", destacou o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, acrescentando que "será mais difícil para a NATO prestar assistência a extremistas sem pudor".

E continuou: "Além disso, terão de admitir abertamente que dezenas de milhares de milhões de dólares de dinheiro dos contribuintes foram desperdiçados. Assim, Washington e os seus aliados forçarão os nazis de Kyiv a reconhecer o resultado da guerra".

Como resultado, nas palavras de Medvedev, os camaradas de Volodymyr Zelensky "fugirão para o Ocidente ou serão destruídos por uma multidão". "Um regime político moderado emergirá das ruínas da antiga Ucrânia", terminou Medvedev.

Recorde-se que a Rússia invadiu a Ucrânia a 24 de fevereiro de 2022, com o argumento de proteger as minorias separatistas pró-russas no leste e "desnazificar" o país vizinho, independente desde 1991, após a desagregação da antiga União Soviética, e que tem vindo a afastar-se do espaço de influência de Moscovo e a aproximar-se da Europa e do Ocidente.

A guerra na Ucrânia já provocou dezenas de milhares de mortos de ambos os lados, mas não conheceu avanços significativos no teatro de operações nos últimos meses, mantendo-se os dois beligerantes irredutíveis nas suas posições territoriais e sem abertura para cedências negociais.

Leia Também: Ucrânia quer recrutar "unidade especial de voluntários" para o exército

Recomendados para si

;
Campo obrigatório