Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 26º

Fim da guerra? "Não há acordos sobre a Ucrânia sem a Ucrânia"

Em causa estão as conversações sobre um potencial acordo de paz na Ucrânia que envolveram Viktor Orbán e Vladimir Putin, na semana passada.

Fim da guerra? "Não há acordos sobre a Ucrânia sem a Ucrânia"
Notícias ao Minuto

23:22 - 09/07/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, reiterou que um acordo sobre o final do conflito na Ucrânia deve ser alcançado com a participação de Kyiv.

"A nossa posição é que não há acordos sobre a Ucrânia sem a Ucrânia", disse Dmytro Kuleba em declarações à televisão nacional ucraniana.

Em causa estão as conversações sobre um potencial acordo de paz na Ucrânia que envolveram o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, e o presidente russo, Vladimir Putin, na semana passada.

Dos rumores (e reações) à

Dos rumores (e reações) à "missão de paz". Eis a visita de Orbán à Rússia

O primeiro-ministro húngaro visitou Moscovo e encontrou-se com o presidente russo, Vladimir Putin, três dias após ter estado em Kyiv. A reunião foi alvo de críticas por parte de Bruxelas e de vários governos dos 27 Estados-membros (incluindo Portugal).

Notícias ao Minuto | 18:01 - 05/07/2024

De lembrar que o atual presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, adiantou que a presidência húngara do Conselho da União Europeia (UE) "não tem mandato para se envolver com a Rússia em nome" dos 27 Estados-membros. Michel disse que o "Conselho Europeu é claro: a Rússia é o agressor, a Ucrânia a vítima".

Por sua vez, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, admitiu que Moscovo avalia de forma muito positiva "a vontade política de diálogo" demonstrada pelo primeiro-ministro húngaro.

"Encaramos isso de forma muito, muito positiva. Acreditamos que pode ser muito útil", disse Peskov, num comentário ao canal Shot Telegram, citado pela Tass.

Orbán viajou na sexta-feira para Moscovo dias depois de fazer a sua primeira visita a Kyiv desde o início da invasão russa da Ucrânia - que aconteceu em 24 de fevereiro de 2022. Esta foi a primeira reunião de um líder da UE com Putin em Moscovo desde abril de 2022.

Embora o próprio Orbán tenha indicado que não poderia falar em nome da UE, Bruxelas apressou-se em deixar claro que a visita do primeiro-ministro húngaro a Moscovo deve ser enquadrada "exclusivamente" no quadro das relações "bilaterais" entre a Hungria e a Rússia, posição também tomada pela NATO.

Orbán tem sido um crítico da ajuda militar ocidental a Kyiv e das sanções impostas à Rússia desde a invasão total da Ucrânia, há dois anos. "Não podemos sentar-nos e esperar que a guerra acabe miraculosamente", terá dito o governante húngaro.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano divulgou uma declaração na segunda-feira, na qual reafirmou que a sua política "permanece inabalável" e apelou a "todos os Estados para que a observem estritamente".

Leia Também: Dos rumores (e reações) à "missão de paz". Eis a visita de Orbán à Rússia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório