Meteorologia

  • 16 JULHO 2024
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 26º

Novo balanço aponta para 22 mortos em incêndio em fábrica na Coreia do Sul

O número de mortos num incêndio numa fábrica de baterias de lítio na Coreia do Sul aumentou para 22, indica o mais recente balanço das autoridades, que continuam hoje a procurar um funcionário desaparecido.

Notícias ao Minuto

07:15 - 25/06/24 por Lusa

Mundo Coreia do Sul

De acordo com uma contagem feita pela polícia e divulgada pela agência de notícias sul-coreana Yonhap, as vítimas mortais foram encontradas no segundo andar da fábrica, onde começou o incêndio e onde as baterias são inspecionados e embalados.

A maioria dos mortos eram trabalhadores oriundos da China, enquanto cinco eram sul-coreanos e um era cidadão do Laos, referiu a Yonhap. Também o funcionário que permanece desaparecido é chinês.

Muitos nacionais chineses, incluindo da minoria étnica coreana, migraram para a Coreia do Sul em busca de emprego desde que Pequim e Seul estabeleceram laços diplomáticos em 1992.

Tal como outros migrantes de países do Sudeste Asiático, trabalham frequentemente em fábricas, estaleiros de construção e restaurantes, nos chamados empregos "difíceis, perigosos e sujos", rejeitados por sul-coreanos.

As equipas de socorro passaram a noite em buscas no interior do prédio de três andares e mobilizaram hoje cerca de 100 pessoas e cães para tentar encontrar o desaparecido.

Os bombeiros retiraram ainda oito feridos da fábrica, dois deles com gravidade.

O incêndio na fábrica da empresa sul-coreana de baterias Aricell, em Hwaseong, 45 quilómetros a sul de Seul, começou na segunda-feira, numa altura em que 102 pessoas estavam a trabalhar no local.

De acordo com um responsável dos bombeiros, Kim Jin-young, uma testemunha disse às autoridades que o incêndio começou depois de as baterias terem explodido quando os trabalhadores as estavam a examinar antes de serem embaladas.

Cerca de 35 mil baterias de lítio - altamente inflamáveis - encontravam-se armazenadas no segundo andar da fábrica onde deflagrou o incêndio.

O Governo da Coreia do Sul prometeu que uma equipa conjunta de bombeiros, polícia e autoridades vai iniciar uma investigação no local para determinar a causa do acidente.

O Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, visitou o complexo industrial na segunda-feira para oferecer as condolências aos familiares das vítimas daquele que já é provavelmente o pior acidente no setor químico da história do país.

Leia Também: Coreia do Norte lança mais 350 balões com lixo sobre Coreia do Sul

Recomendados para si

;
Campo obrigatório