Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 16º MÁX 27º

"Espero que a China apoie os esforços para pôr um fim pacífico à guerra"

As palavras são do presidente polaco, Andrzej Duda, durante a visita a Pequim, na China.

"Espero que a China apoie os esforços para pôr um fim pacífico à guerra"
Notícias ao Minuto

23:39 - 24/06/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Andrzej Duda

O presidente polaco, Andrzej Duda, afirmou, esta segunda-feira, durante uma visita a Pequim, que espera que a China ajude a encontrar uma solução de paz na Ucrânia e que respeite o direito internacional.

Duda, em declarações aos jornalistas, citado pela Reuters, de conta que reuniu com o presidente chinês Xi Jinping, e que apresentou o seu "ponto de vista sobre a situação de segurança na Europa e no mundo, sobretudo na nossa parte da Europa".

"Espero que a China apoie os esforços para pôr um fim pacífico à guerra travada pela Rússia na Ucrânia", destacou ainda, acrescentando que essa paz deve respeitar o direito internacional e as fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia.

Segundo a televisão estatal chinesa, Xi terá dito a Duda que a China apoiava todos os esforços para que a guerra na Ucrânia chegasse a um fim pacífico e que a China continuaria a desempenhar um papel na procura de uma solução política para a crise.

Recorde-se que a China não participou na Cimeira para a Paz na Ucrânia, organizada este mês na Suíça, afirmando que não correspondeu às suas expectativas, que incluíam a participação da Rússia e da Ucrânia. A Rússia, que lançou uma invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022, não foi convidada e denunciou a reunião como uma farsa.

Fontes diplomáticas revelaram à Reuters este mês que a China estava a pressionar os governos com um plano de paz alternativo para a Ucrânia.

Apesar de a China e a Rússia terem proclamado uma parceria "sem limites" apenas alguns dias antes de o presidente Vladimir Putin ter ordenado a invasão à Ucrânia, Pequim afirma que é neutra no conflito e que não forneceu armas ou munições a Moscovo.

Leia Também: Al-Fatah agradece à China esforço de diálogo mas criica Hamas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório