Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 32º

Coreia do Norte retomou lançamento de balões com lixo sobre Coreia do Sul

A Coreia do Norte retomou hoje o lançamento de balões provavelmente transportando lixo para a Coreia do Sul, segundo as Forças Armadas sul-coreanas, na mais recente iniciativa ao estilo da Guerra Fria na península coreana.

Coreia do Norte retomou lançamento de balões com lixo sobre Coreia do Sul
Notícias ao Minuto

16:33 - 24/06/24 por Lusa

Mundo Coreia do Norte

Os lançamentos foram efetuados alguns dias depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente russo, Vladimir Putin, terem assinado um importante acordo de defesa que, segundo os observadores, poderá encorajar Kim a dirigir mais provocações à Coreia do Sul.

Segundo um comunicado do Estado-Maior das Forças Armadas sul-coreanas, os balões norte-coreanos estão a deslocar-se para sul, e os militares estão a monitorizar de perto as movimentações norte-coreanas, porque se previam ventos de norte ou noroeste, favoráveis ao lançamento de balões.

No comunicado, pede-se aos cidadãos sul-coreanos que não toquem nos balões norte-coreanos e que denunciem a sua localização às autoridades militares e policiais. As Forças Armadas não disseram como reagiriam a novos lançamentos de balões.

A partir do final de maio, Pyongyang lançou uma série de balões com estrume, pontas de cigarro, trapos, pilhas gastas e vinil sobre várias zonas da Coreia do Sul. Não foram encontrados materiais altamente perigosos.

A Coreia do Norte afirmou que a sua campanha de balões foi uma ação de retaliação contra ativistas sul-coreanos que lançaram panfletos políticos críticos da sua liderança para o seu lado da fronteira.

A influente irmã de Kim, Kim Yo-jong, afirmou na sexta-feira que a Coreia do Norte retomaria a sua campanha de balões como retaliação contra a nova ação de lançamento de panfletos de grupos civis sul-coreanos.

Um grupo sul-coreano afirmou ter enviado na quinta-feira à noite para o outro lado da fronteira 20 balões com 300.000 panfletos de propaganda, 5.000 'pens' USB com canções 'pop' sul-coreanas e séries de televisão e notas de um dólar norte-americano.

"Quando fazemos uma coisa que fomos claramente avisados para não fazer, é natural que tenhamos de confrontar-nos com algo que era evitável", afirmou Kim Yo-jong.

Em reação à anterior campanha de balões da Coreia do Norte, as Forças Armadas sul-coreanas voltaram a instalar a 09 de junho altifalantes gigantescos ao longo da fronteira, pela primeira vez em seis anos, e retomaram as emissões de propaganda contra o regime norte-coreano.

As emissões incluíram alegadamente músicas famosas dos BTS, a banda sensação da K-pop ('pop' sul-coreana), como "Butter" e "Dynamite", previsões meteorológicas e notícias sobre a Samsung, a maior empresa sul-coreana, bem como críticas ao programa de mísseis de Pyongyang e à sua proibição de vídeos estrangeiros.

A Coreia do Norte considera as grandes emissões informativas sul-coreanas e as campanhas civis de distribuição de panfletos graves provocações, uma vez que proíbe o acesso a notícias estrangeiras à maioria dos seus 26 milhões de habitantes.

Segundo Seul, Pyongyang reagiu a anteriores emissões sul-coreanas com altifalantes e a ações civis de lançamento de balões abrindo fogo sobre o outro lado da fronteira, o que levou a Coreia do Sul a ripostar.

Hoje de manhã, a Coreia do Sul, os Estados Unidos e o Japão emitiram um comunicado conjunto condenando veementemente a cada vez maior cooperação militar entre a Rússia e a Coreia do Norte.

De acordo com o comunicado, as interações entre Pyongyang e Moscovo constituem uma "grave preocupação" para os esforços de promoção da paz na Península da Coreia, para o regime mundial de não-proliferação e para o apoio ao povo ucraniano, confrontado desde fevereiro de 2022 com uma invasão da Rússia.

Numa reunião em Pyongyang na passada quarta-feira, Kim Jong-un e Putin alcançaram um acordo nos termos do qual cada um dos respetivos países fornecerá ajuda ao outro, em caso de ataque, e se compromete a reforçar outras formas de cooperação.

Segundo os observadores, o acordo representa a mais forte relação entre os dois países desde o fim da Guerra Fria. Os Estados Unidos e os seus aliados creem que a Coreia do Norte tem fornecido à Rússia armas convencionais, muito necessárias para a sua guerra na Ucrânia, em troca de ajuda militar e económica.

O comunicado de Seul, Washington e Tóquio indica que os três países reiteram a intenção de reforçar a cooperação diplomática e de segurança para enfrentar as ameaças norte-coreanas e evitar uma escalada da situação, acrescentando que os compromissos dos Estados Unidos com a defesa da Coreia do Sul e do Japão "permanecem blindados".

No sábado passado, um porta-aviões norte-americano de propulsão nuclear chegou à Coreia do Sul para um exercício militar tripartido Seul-Washington-Tóquio, cujo início está agendado para este mês.

A Coreia do Norte já chamou a essas manobras militares conjuntas dos Estados Unidos um ensaio de invasão e respondeu realizando novos testes de mísseis, argumentando que a hostilidade de Washington a obrigou a desenvolver armas nucleares em legítima defesa.

Leia Também: Mísseis? Coreia do Norte encorajada a tomar medidas "provocatórias"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório