Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 18º MÁX 38º

Líder da revolta na Nova Caledónia e ativistas em preventiva em França

Vários ativistas pró-independência da Nova Caledónia, incluindo o líder do movimento de revolta contra a reforma eleitoral, deverão ser mantidos em prisão preventiva na França continental, anunciaram hoje os advogados, declarando-se "estupefactos".

Líder da revolta na Nova Caledónia e ativistas em preventiva em França
Notícias ao Minuto

17:37 - 22/06/24 por Lusa

Mundo Nova Caledónia

As decisões foram tomadas por um juiz de liberdade e detenção, chamado a pronunciar-se sobre o destino das 11 pessoas detidas na quarta-feira, entre as quais Christian Tein, considerado o líder da célula de coordenação das ações de terreno (CCAT), organização criada em novembro de 2023 e cujos dirigentes são acusados pelas autoridades de provocarem os atos de violência que afetam o arquipélago francês no Pacífico Sul.

O procurador Yves Dupas confirmou à agência France-Presse (AFP) que os detidos foram "destacados para a França continental", mas não deu mais pormenores, no final das audiências à porta fechada em Numéa, capital do arquipélago francês do Pacífico Sul.

As acusações não foram especificadas. A investigação incide, nomeadamente, sobre conspiração criminosa, roubo organizado à mão armada e cumplicidade por instigação no homicídio ou tentativa de homicídio de pessoas no exercício de funções oficiais.

Tein deverá ser encarcerado em Mulhouse (leste de França), segundo o seu advogado, Pierre Ortent, que manifestou o seu "espanto".

"Se quisessem fazer da causa pró-independência um mártir, não fariam de outra forma", comentou Stéphane Bonomo, advogado de outro arguido.

Estas decisões surgem seis semanas após o início da mais grave onda de violência em França desde a década de 1980.

Instigados pela votação de um projeto de lei constitucional que visa alargar o eleitorado da Nova Caledónia para as eleições provinciais previstas para o final de 2024, os tumultos causaram nove mortos, entre os quais dois polícias, centenas de feridos e prejuízos consideráveis, com um custo estimado em 1,5 mil milhões de euros, segundo os últimos números.

O projeto de lei que provocou os tumultos foi "suspenso" em 12 de junho pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, na sequência da dissolução da Assembleia Nacional.

Leia Também: Líder dos protestos da Nova Caledónia detido em Numeá

Recomendados para si

;
Campo obrigatório