Meteorologia

  • 16 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 26º

Riade diz não ter responsabilidades na morte de mil peregrinos em Meca

Um alto funcionário saudita defendeu hoje a forma como o reino lidou com a peregrinação a Meca, depois de mais de 1.100 pessoas terem morrido devido ao forte calor, afirmando que o Estado da Arábia Saudita "não falhou".

Riade diz não ter responsabilidades na morte de mil peregrinos em Meca
Notícias ao Minuto

18:34 - 21/06/24 por Lusa

Mundo Meca

"O Estado não falhou, mas houve um erro de julgamento por parte de pessoas que não mediram os riscos envolvidos", disse o responsável à agência noticiosa France-Presse (AFP), na primeira reação oficial ao elevado número de mortos.

Uma contagem hoje elaborada pela AFP, com base em declarações oficiais e informações fornecidas por diplomatas, estimava o número de mortos em 1.119, mais de metade dos quais peregrinos egípcios.

O responsável saudita, que solicitou anonimato, acrescentou que as autoridades sauditas confirmaram 577 mortes nos dois dias mais movimentados do 'hajj' (peregrinação a Meca): sábado, quando os peregrinos se reuniram para horas de oração sob um sol escaldante no Monte Arafat, e domingo, ao participarem no ritual do "apedrejamento do demónio" em Mina.

"Isto aconteceu num contexto de condições climatéricas difíceis e de temperaturas muito severas", disse o responsável, reconhecendo que o número de 577 era parcial e não cobria a totalidade do 'hajj', que terminou oficialmente na quarta-feira.

O 'hajj' é um dos cinco pilares do Islão e todos os muçulmanos que o possam pagar devem fazê-lo pelo menos uma vez na vida.

As autoridades sauditas disseram anteriormente que 1,8 milhões de peregrinos tinham participado este ano, um total semelhante ao do ano passado, e que 1,6 milhões vieram do estrangeiro.

As autorizações para participar na peregrinação a Meca são atribuídas aos países de acordo com um sistema de quotas.

Mesmo para aqueles que conseguem obtê-las, os custos elevados da deslocação acabam por tornar vias de acesso alternativas mais atrativas.

"Podemos estimar o número de peregrinos não registados em cerca de 400.000", disse hoje o funcionário saudita.

"A maior parte deles é de uma só nacionalidade", acrescentou o funcionário, presumivelmente referindo-se ao Egito.

No início da semana, diplomatas árabes disseram à AFP que o Egito tinha contabilizado 658 mortos, incluindo 630 peregrinos não registados.

Leia Também: Dezanove fiéis morrem na grande peregrinação anual na Arábia Saudita

Recomendados para si

;
Campo obrigatório