Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 29º

Pequim rejeita acusações dos EUA e NATO sobre apoio à Rússia

A República Popular da China acusou hoje os Estados Unidos de "difundir informações falsas", depois de o secretário de Estado norte-americano ter instado Pequim a "deixar" de apoiar o esforço de guerra russo na Ucrânia.

Pequim rejeita acusações dos EUA e NATO sobre apoio à Rússia
Notícias ao Minuto

10:38 - 19/06/24 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"Opomo-nos veementemente a que os Estados Unidos divulguem informações falsas sem qualquer prova e culpem a China", afirmou Lin Jian, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, em conferência de imprensa, em Pequim.

"No que diz respeito à crise ucraniana, a China nunca deitou 'achas para a fogueira' nem procurou tirar partido da situação e sempre se dedicou às conversações de paz", respondeu o porta-voz da diplomacia chinesa, questionado pelos jornalistas.

"A China não fornece armas a nenhuma das partes em conflito, controla rigorosamente a exportação de bens civis e militares e tem sido elogiada pela comunidade internacional", acrescentou Lin Jian.

Terça-feira, numa conferência de imprensa conjunta, em Washington, com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, Antony Blinken denunciou o apoio da República Popular da China à guerra da Rússia na Ucrânia.

"A China fornece um apoio essencial ao complexo militar e industrial da Rússia", afirmou, acrescentando que "70% das máquinas importadas pela Rússia são provenientes da China" e "90% da microeletrónica" chinesa.

"Permite à Rússia manter uma base militar e industrial, manter a máquina de guerra, manter a guerra. Portanto, isto tem de acabar", disse.

A República Popular da China não fornece armas diretamente à Rússia, mas os Estados Unidos acusam as empresas chinesas de fornecerem componentes e equipamento à indústria de armamento russa.

"A China não pode ter as duas coisas. Não pode continuar a ter relações comerciais normais com os países europeus e, ao mesmo tempo, alimentar a maior guerra a que assistimos na Europa desde a Segunda Guerra Mundial", afirmou Stoltenberg.

A China absteve-se de participar na cimeira sobre a paz na Ucrânia, realizada no passado fim de semana na Suíça, devido à ausência de Moscovo.

Leia Também: Embaixadas de Timor-Leste de sete países já podem emitir vistos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório