Meteorologia

  • 14 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 26º

Apoio da China ao esforço de guerra da Rússia "tem de acabar"

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, denunciou hoje o apoio da China ao esforço de guerra da Rússia na Ucrânia e defendeu que tal "tem de acabar".

Apoio da China ao esforço de guerra da Rússia "tem de acabar"
Notícias ao Minuto

19:42 - 18/06/24 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"[A ajuda] permite à Rússia manter a base militar-industrial, manter a máquina de guerra, manter a guerra. Isto tem de acabar", declarou Blinken numa conferência de imprensa conjunta com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, em Washington, apontando que cerca de "70% das máquinas importadas pela Rússia" são oriundas da China, tal como "90% dos equipamentos de microeletrónica".

Os Estados Unidos têm vindo intensificar as críticas à China e às empresas chinesas, argumentando que estão a ajudar o esforço de guerra de Moscovo, fornecendo componentes e equipamento para apoiar a indústria de armamento russa, com impacto no campo de batalha na Ucrânia.

A China não fornece armas diretamente à Rússia.

"A China não pode ter as duas coisas. A China não pode continuar a ter relações comerciais normais com os países europeus e, ao mesmo tempo, alimentar a maior guerra a que assistimos na Europa desde a Segunda Guerra Mundial", afirmou, por sua vez, Stoltenberg.

No dia anterior, o secretário-geral da NATO, que está a realizar desde segunda-feira uma visita aos Estados Unidos e ao Canadá, tinha apelado a que Pequim fosse "obrigada a pagar" pelo seu apoio à Rússia.

Os dois líderes também expressaram preocupação com o fortalecimento das relações entre a Rússia e a Coreia do Norte, onde o Presidente russo, Vladimir Putin, estará até quarta-feira.

No fim de semana passado, o grupo das sete maiores economias mundiais (G7) apelou à China para que deixe de fornecer componentes de armamento à Rússia. 

"Apelamos à China para que deixe de transferir (...) componentes de armas e equipamentos que abastecem o setor da defesa russo", indicaram as potências (Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Reino Unido, Canadá e Japão mais a União Europeia) numa declaração final após uma cimeira que decorreu em Itália.

Também por ocasião desta cimeira, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, indicou que o homólogo chinês, Xi Jinping, lhe garantiu que Pequim não venderá armas à Rússia, um reconhecido aliado chinês.

"Tive uma conversa telefónica com o dirigente da China, que me disse que não venderia armas à Rússia. Veremos. Deu-me a sua palavra", afirmou Zelensky, à margem da cimeira do G7.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Leia Também: Blinken comprometeu-se a "eliminar obstáculos" ao envio de armas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório