Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
29º
MIN 16º MÁX 29º

Homem tenta mudar de sexo antes de ser condenado por violência doméstica

O tribunal de Mahon condena um homem por ameaçar a sua companheira. Meses antes, homem tentou mudar de sexo.

Homem tenta mudar de sexo antes de ser condenado por violência doméstica
Notícias ao Minuto

19:09 - 18/06/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Espanha

Depois de ter estado envolvido num processo judicial por violência de doméstica, um homem solicitou uma mudança de sexo em Menorca, Espanha.

No entanto, os tribunais negaram-no, considerando-o inadequado, e acabou por ser condenado.

O tribunal de primeira instância de Mahón condenou o homem por um crime de ameaças em contexto de violência doméstica por ter ameaçado a sua companheira.

Segundo o acórdão, a meio de uma discussão com a sua companheira, o protagonista dos factos disse-lhe: "Se pensares sequer em contar às crianças, eu tiro-tas, vais perdê-las e haverá consequências", acrescentando que "se for necessário, mato-te, mas nunca mais verás as crianças".

O homem, de acordo com a sentença publicada pela Europa Press, foi condenado a 40 dias de serviço comunitário, bem como à privação do direito de posse e porte de armas por um período de 16 meses e 1 dia. O juiz proibiu-o também de se aproximar e de comunicar com a vítima durante 16 meses.

Antes de ser conhecida a sentença, o arguido tinha solicitado a retificação do seu sexo, pedindo formalmente para ser registado como mulher no Registo Civil e mudando o seu nome para um nome feminino.

No entanto, o responsável do tribunal de primeira instância, que também é responsável pelo Registo Civil, rejeitou o seu pedido em maio passado.

Nessa decisão, o magistrado sublinhou que, das declarações do recorrente, bem como da sua atitude e da sua aparência física genuinamente masculina, "não se vislumbra qualquer sinal que sugira que se identifica com o sexo feminino pelo qual afirma optar".

Além disso, acrescentou que, nesse caso, "não é razoável pensar que uma pessoa se submeteria a todos os procedimentos de mudança de sexo quando a pertença ao sexo feminino se destina apenas a fazer parte da mais estrita intimidade familiar ou mesmo a residir apenas no foro interno da pessoa, ou seja, como uma ideia sem qualquer projeção externa".

Segundo o juiz, "é sabido que as pessoas que não se identificam com o seu sexo biológico à nascença, precisamente um dos primeiros passos que dão no caminho para a sua verdadeira identidade sexual é mudar o seu nome para outro que as identifique com o género que escolheram e, além disso, adotam um comportamento que corresponde a esse género nas suas relações sociais". Não foi o que aconteceu neste caso.

Por esta razão, decidiu que "tudo isto nos leva a crer que a intenção do requerente ao solicitar a mudança de sexo permanece oculta e não está de acordo com os objetivos prosseguidos pela lei".

Recorde-se que a "lei trans" espanhola, que permite mudar de género no registo civil sem relatórios médicos, foi definitivamente aprovada em fevereiro de 2023. 

Leia Também: Estudantes financiam viagem de fim de ano a aluno migrante em Espanha

Recomendados para si

;
Campo obrigatório