Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 26º

Militar filipino gravemente ferido em colisão com navio da guarda chinesa

Um militar filipino ficou "gravemente ferido" segunda-feira numa colisão entre uma embarcação filipina e uma da guarda chinesa, anunciou o exército, no mais recente incidente entre os dois países nas águas disputadas do Mar do Sul da China.

Militar filipino gravemente ferido em colisão com navio da guarda chinesa
Notícias ao Minuto

13:51 - 18/06/24 por Lusa

Mundo Mar

As forças armadas filipinas indicaram que o militar em causa "sofreu ferimentos graves" depois de a embarcação chinesa ter abalroado a embarcação filipina perto do atol Second Thomas, também conhecido como Ayungin.

Segundo Manila, o incidente ocorreu quando as forças filipinas estavam a realizar operações para reabastecer as tropas de um navio que está encalhado na zona há mais de duas décadas, uma questão fortemente criticada pelas autoridades chinesas.

"O comportamento agressivo e a conduta pouco profissional da Guarda Costeira chinesa em relação a uma missão humanitária legítima são inaceitáveis. Deve ser contido para evitar uma escalada das tensões", declarou o exército num comunicado.

"As forças armadas continuam empenhadas em manter a sua presença na zona, respeitando o direito internacional para proteger os nossos direitos, o nosso futuro e os nossos mares", referiu ainda o comunicado.

A Guarda Costeira chinesa, por sua vez, afirmou que a colisão ocorreu em águas próximas de Ayungin e explicou que abordou o navio durante a missão, mas acusou as Filipinas de "manobras pouco profissionais" depois de terem entrado "ilegalmente" na zona.

A China reivindica a maior parte das águas da zona como parte do seu território, uma vez que se encontram dentro da chamada "linha dos nove traços" nos mapas chineses - uma linha traçada pelo governo chinês que reclama o Mar do Sul da China, incluindo as ilhas Paracelso e Spratly, como seu.

As relações entre a China e as Filipinas têm-se tornado cada vez mais tensas nos últimos meses. Manila acusou Pequim de obstruir as suas missões de retirada de tropas dentro do que considera ser a sua zona económica exclusiva, enquanto a China insiste que os navios filipinos transitam ilegalmente nessas águas.

As Filipinas, sob as ordens do seu Presidente, Ferdinand Marcos Jr., rejeitaram as reivindicações da China sobre o mar e os seus recursos, reforçando simultaneamente os laços de defesa com os EUA.

O seu governo manifestou a sua determinação em explorar as águas em busca de recursos energéticos, depois de ter obtido uma vitória legal em 2016 no Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia, que rejeitou as reivindicações de Pequim.

Leia Também: Andresen Guimarães nomeado diretor na área das pescas em Bruxelas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório