Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 25º

Rússia e Coreia do Norte assinam "documentos importantes"

Pyongyang e Moscovo vão assinar "documentos importantes" na visita de terça e quarta-feira do Presidente russo, Vladimir Putin, à Coreia do Norte, segundo a Presidência russa, que admitiu a possibilidade de uma "parceria estratégica global".

Rússia e Coreia do Norte assinam "documentos importantes"
Notícias ao Minuto

17:10 - 17/06/24 por Lusa

Mundo Rússia / Coreia do Norte

De acordo com o conselheiro diplomático do Presidente russo, Yuri Ushakov, serão assinados "documentos importantes e muito significativos", mencionando "a possível conclusão de um acordo de parceria estratégica global".

"Este tratado, se for assinado, será obviamente condicionado pelas profundas mudanças na situação geopolítica no mundo e na região, e pelas mudanças qualitativas que ocorreram recentemente nas nossas relações bilaterais", referiu a mesma fonte, citam as agências noticiosas russas.

"As partes ainda estão a trabalhar no acordo e a decisão final sobre a sua assinatura será tomada nas próximas horas", acrescentou Ushakov, que informou ainda que Putin e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, farão "declarações à imprensa".

Putin chegará a Pyongyang ao final da tarde de terça-feira, mas o programa oficial está previsto para o dia seguinte, acrescentou.

Na deslocação, Putin será acompanhado pelo seu chefe da diplomacia, Serguei Lavrov, e pelo seu ministro da Defesa, Andrei Belooussov, numa delegação que incluirá também dois vice-primeiros-ministros e o diretor da agência espacial russa Roscosmos.

A visita realiza-se a convite de Kim Jong-un, que há nove meses se deslocou à Rússia.

O Ocidente acusa a Coreia do Norte de fornecer munições à Rússia para a guerra contra a Ucrânia.

Os dois países, que estão sujeitos a pesadas sanções internacionais, reforçaram consideravelmente os laços desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, em fevereiro de 2022.

Os Estados Unidos acusaram na semana passada a Rússia de utilizar mísseis balísticos norte-coreanos na Ucrânia.

Em troca, segundo Washington e Seul, a Rússia forneceu à Coreia do Norte conhecimentos especializados para o seu programa de satélites e enviou ajuda para fazer face à escassez de alimentos no país.

Kim elogiou na quarta-feira os laços de "irmãos de armas inquebráveis" entre Pyongyang e Moscovo, que remontam à era soviética.

Durante a viagem à Rússia, em setembro de 2023, já tinha declarado que os laços entre os dois países eram a "prioridade número um" do regime norte-coreano.

Putin apresenta a invasão da Ucrânia e os esforços diplomáticos como uma batalha contra a hegemonia norte-americana na cena internacional, e conta com o apoio da China, que é o principal apoiante económico e aliado diplomático do regime norte-coreano.

Os dois países partilham uma fronteira terrestre, que o líder norte-coreano atravessou no ano passado de comboio.

Trata-se da segunda deslocação de Putin à Coreia do Norte, depois da visita que efetuou há quase um quarto de século, pouco depois de chegar ao poder, para se encontrar com Kim Jong-il, pai de Kim Jung-un.

Putin, que é alvo de um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional (TPI) pela deportação ilegal de crianças ucranianas, limitou grandemente as viagens ao estrangeiro.

A Rússia utilizou em março o direito de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas para pôr termo ao controlo das violações das sanções internacionais contra a Coreia do Norte.

A Coreia do Sul afirmou na quinta-feira estar a "acompanhar de perto os preparativos" da visita de Putin ao país vizinho.

Seul apelou a Moscovo para que "contribua para a paz e a estabilidade na península coreana, respeitando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU".

A Coreia do Sul forneceu uma ajuda militar significativa à Ucrânia, que o Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, visitou em maio, e está a participar nas sanções ocidentais contra Moscovo.

Leia Também: Putin visita Coreia do Norte na terça e quarta-feira

Recomendados para si

;
Campo obrigatório