Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

China espera que Europa "retire os óculos da ideologia"

A China espera que a Europa "retire os óculos da ideologia" e respeite regras para evitar o "lançamento de políticas e iniciativas anti-globalização e exagero do conceito de segurança nacional", segundo o embaixador do país em Portugal.

China espera que Europa "retire os óculos da ideologia"
Notícias ao Minuto

12:42 - 17/06/24 por Lusa

Mundo Embaixador

Numa conferência em Lisboa, Zhao Bentang, abordou hoje como a "chamada 'redução dos riscos' é uma falsa proposta" e que a "cooperação económica e comercial entre a China e a UE (União Europeia) é bem fundamentada, frutuosa e promissora".

"Espera-se que a parte europeia retire os óculos coloridos da ideologia, exclua a interferência externa, adira à autonomia estratégica, forme uma perceção independente e objetiva da China", afirmou o embaixador, para quem deve ser continuada uma "política proativa e racional", além do respeito por "normas básicas de uma economia de mercado" e cumpridas as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) para "evitar o lançamento de políticas e iniciativas anti-globalização e exagero do conceito de segurança nacional".

O diplomata defendeu ainda que os novos produtos energéticos resultam de "vantagens comparativas e da lei do mercado", garantindo que não existem subsídios proibidos pela OMC.

"Para a nova indústria de energia da China, o 'excesso de produção' é um disparate, é um pretexto para o protecionismo", adiantou o mesmo responsável, recusando ainda que haja 'dumping', uma vez que os "preços de exportação também estão em conformidade com as leis do mercado, não há problema de dumping".

Na sua intervenção, o embaixador considerou, assim, que "defender a bandeira do desenvolvimento ecológico e, ao mesmo tempo, usar o bastão do protecionismo para restringir as exportações chinesas" como veículos elétricos "é uma atitude típica de dois pesos e duas medidas".

Zhao Bentang argumentou que essa atitude "não só prejudicará a transformação ecológica da economia mundial, como também os esforços globais de combate às alterações climáticas, resultando numa situação de dupla perda".

Na semana passada, a China tinha avançado que "reserva o direito" de apresentar uma queixa à OMC depois de a UE anunciar possíveis aumentos das tarifas de importação de veículos elétricos chineses.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, o executivo comunitário indicou que, provisoriamente, as importações de veículos elétricos da BYD passarão a ser taxadas em 17,4%, da Geely em 20% e da SAIC em 38,1%, sendo estas as marcas incluídas na amostra investigada.

A Comissão estabeleceu, a título provisório, ser "do interesse da UE remediar os efeitos das práticas comerciais desleais detetadas, mediante a instituição de direitos de compensação provisórios sobre as importações de veículos elétricos provenientes da China".

Para Bruxelas, a cadeia de valor dos veículos elétricos da China beneficia de subvenções injustas, o que está a causar uma ameaça de prejuízo económico aos construtores da UE.

Para além dos três mencionados, outros construtores chineses de carros elétricos que cooperaram com a investigação mas não foram incluídas na amostra serão taxadas em 21% e as que não cooperaram em 38,1%.

Na conferência de hoje o diplomata afirmou ainda como Pequim "compreende o impacto da crise ucraniana nos povos da Europa", não sendo a China "nem criadora nem parte ou participante", mas que tem "desempenhado um papel construtivo na promoção de uma resolução pacífica da crise" e fornecido apoio humanitário à Ucrânia.

Sobre o conflito israelo-palestiniano, a "China insiste em que a saída fundamental (...) reside na criação de um Estado palestiniano independente".

"A história tem provado repetidamente que a causa principal da repetida instabilidade da situação israelo-palestiniana é a falta de aplicação efetiva das resoluções das Nações Unidas, a erosão contínua da base da solução de dois Estados e o desvio do processo de paz do Médio Oriente do caminho certo. A China está pronta a reforçar a cooperação com todos os países amantes da paz e a contribuir para o restabelecimento da paz no Médio Oriente".

Leia Também: Filipinas rejeitam acusações em novo incidente no mar do Sul da China

Recomendados para si

;
Campo obrigatório