Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
28º
MIN 16º MÁX 29º

África do Sul. Ramaphosa empossado na quarta-feira para 2.º mandato

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, tomará posse para um segundo mandato de cinco anos na quarta-feira em Pretória, após ser reeleito pelo parlamento para liderar uma coligação de unidade nacional sem precedentes, foi hoje anunciado.

África do Sul. Ramaphosa empossado na quarta-feira para 2.º mandato
Notícias ao Minuto

16:49 - 15/06/24 por Lusa

Mundo África do Sul

"O artigo 87.º da Constituição da República da África do Sul estipula que o Presidente deve tomar posse no prazo de cinco dias após a sua eleição pela Assembleia Nacional (...) Por conseguinte, a tomada de posse decorrerá na quarta-feira, 19 de junho de 2024", declarou o porta-voz interino do Governo sul-africano, Nomonde Mnukwa, numa conferência de imprensa em Pretória.

"A tomada de posse oferece-nos uma oportunidade para celebrar os nossos valores democráticos e o nosso sistema de governação", acrescentou.

Mnukwa "encorajou todos os sul-africanos" a seguirem este evento tanto através dos media como pessoalmente, "especialmente as crianças e os jovens, que podem assistir a este evento como parte da construção da coesão social que nos torna especiais como nação".

Na conferência de imprensa participou também a ministra das Relações Internacionais e da Cooperação, Naledi Pandor, que faz parte do comité nomeado pelo Presidente para organizar a sua tomada de posse.

"Os convites foram enviados a vários chefes de Estado e de Governo e estamos a começar a receber as suas respostas", disse, sem revelar o número de dignitários presentes no evento.

"Esperamos que seja um evento maravilhoso com a presença do maior número possível de amigos da África do Sul", acrescentou.

Na passada sexta-feira, a Assembleia Nacional da África do Sul (Câmara Baixa) reelegeu Ramaphosa para liderar o país, apesar de ter perdido a maioria absoluta nas eleições de 29 de maio, horas depois de John Steenhuisen, líder do principal partido da oposição Aliança Democrática (AD, liberal de centro-direita), ter dito numa mensagem à nação que tinha chegado a um acordo com o partido do Presidente para um "governo de unidade nacional".

O partido de Ramaphosa, o histórico Congresso Nacional Africano (ANC), obteve 40,20% dos votos e 159 dos 400 lugares no parlamento, enquanto o PD, herdeiro da liderança política branca que se opôs ao apartheid, obteve 21,81% dos votos e 87 lugares.

O ANC perdeu assim a sua maioria absoluta pela primeira vez desde as eleições de 1994, quando Nelson Mandela se tornou o primeiro presidente negro do país e o regime segregacionista do apartheid (1948-1994) foi abolido.

Depois de ter desempenhado um papel importante nas negociações que conduziram ao desmantelamento do apartheid, de ter sido líder sindical e de ter prosperado no setor privado, Ramaphosa, de 71 anos, chegou à presidência em 2018 com a promessa de mudança para acabar com a corrupção que manchou o mandato do seu antecessor, Jacob Zuma (2009-2018).

No entanto, a sua popularidade diminuiu devido a problemas persistentes como o desemprego (32,9%), a criminalidade, a crise energética com apagões constantes e a extrema desigualdade que ainda pesa sobre a população negra.

Leia Também: Joe Biden felicita presidente reeleito na África do Sul

Recomendados para si

;
Campo obrigatório