Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 23º MÁX 37º

Cessar-fogo? Moscovo lamenta resposta "não construtiva" do Ocidente

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, lamentou hoje a resposta do Ocidente à proposta de cessar-fogo anunciada na sexta-feira pelo Presidente russo, Vladimir Putin, considerando as reações de "natureza não construtiva".

Cessar-fogo? Moscovo lamenta resposta "não construtiva" do Ocidente
Notícias ao Minuto

15:20 - 15/06/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

"Temos assistido a um grande número de reações oficiais, todas elas de natureza não construtiva", disse Peskov, segundo a Europa Press, que cita a agência noticiosa russa TASS.

Putin prometeu na sexta-feira ordenar "imediatamente" um cessar-fogo na Ucrânia e iniciar negociações se Kiev começasse a retirar as tropas das quatro regiões anexadas por Moscovo em 2022 e renunciasse aos planos de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês).

"Assim que Kiev [...] iniciar a retirada efetiva das tropas [das regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia], e assim que notificar que está a abandonar os seus planos de aderir à NATO, daremos imediatamente, nesse preciso momento, a ordem para cessar-fogo e iniciar as negociações", disse Putin aos funcionários do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

Estas reivindicações constituem uma exigência de facto para a rendição da Ucrânia, cujo objetivo é manter a sua integridade territorial e soberania, mediante a saída de todas as tropas russas do seu território, além de Kiev pretender aderir à aliança militar.

A proposta de cessar-fogo foi rejeitada pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que a descreveu como um "ultimato" integrado na "nova onda do nazismo russo".

"O que podemos dizer sobre este ultimato? Não é diferente de outros que ele já fez antes", disse Zelensky.

Entre outros críticos da proposta estão o chanceler alemão, Olaf Scholz, e o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell.

Já hoje, o Presidente ucraniano manifestou-se convicto de que "vai ser feita história" na Cimeira para a Paz na Suíça, fazendo votos para que os esforços conjuntos a nível global garantam uma "paz justa tão cedo quanto possível".

"Tudo o que for acordado hoje nesta cimeira fará parte do processo de paz de que todos necessitamos. Acredito que vamos testemunhar a história a ser feita, aqui, na cimeira", declarou Zelensky, acompanhado da Presidente da Suíça, Viola Amherd, anfitriã da conferência, na qual não participa a Rússia, que ocupa cerca de 20% do território ucraniano desde a ofensiva militar lançada em fevereiro de 2022.

A China, um dos grandes aliados de Moscovo e vista como intermediária fundamental para futuras conversações de paz, rejeitou participar na cimeira dada a ausência da Rússia, tendo Zelensky acusado Pequim de trabalhar em conjunto com o Kremlin para sabotar a conferência, ao pressionar países para não participarem.

O objetivo da reunião, organizada pela Suíça na sequência de um pedido nesse sentido do Presidente ucraniano, é "inspirar um futuro processo de paz", tendo por base "os debates que tiveram lugar nos últimos meses, nomeadamente o plano de paz ucraniano e outras propostas de paz baseadas na Carta das Nações Unidas e nos princípios fundamentais do direito internacional".

Leia Também: Irão e Suécia acordam troca de prisioneiros. "Estão num avião a voltar"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório