Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 23º MÁX 37º

Zelensky agradece atribuição de 50 mil milhões de dólares pelo G7

A cimeira do grupo dos sete países mais ricos do mundo (G7) deu um apoio claro à Ucrânia com um pacote de 50 mil milhões de dólares, anunciou na rede social X o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Zelensky agradece atribuição de 50 mil milhões de dólares pelo G7
Notícias ao Minuto

17:33 - 13/06/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

"Cimeira do G7. Apoio inequívoco à Ucrânia, ao direito internacional e a uma paz justa", afirmou o líder ucraniano, publicando uma foto com os líderes mundiais durante o encontro, que decorre em Itália.

"Todos os dias reforçamos as nossas posições e a nossa defesa da vida", afirmou.

O pacote de apoio de 50 mil milhões de dólares (46,3 mil milhões de euros) será financiado pelos juros sobre os ativos russos congelados.

"Cada reunião serve o objetivo de dar à Ucrânia novas oportunidades de vitória. Estou grato a todos os nossos parceiros", acrescentou ainda Zelensky.

A primeira-ministra de Itália, Giorgia Meloni, cujo país assume a presidência rotativa do G7, confirmou entretanto este acordo.

"Confirmo que chegámos a um acordo político para fornecer apoio financeiro adicional à Ucrânia", disse Meloni numa declaração oficial no final do primeiro dia da reunião dos líderes do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, mais a União Europeia).

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, considerou, por seu turno, que este apoio é uma "sinal forte à Ucrânia" no conflito com a Rússia.

"Vamos apoiar Kiev na sua luta pela liberdade durante o tempo que for necessário", prometeu a responsável europeia, salientando que a medida constitui uma tomada de posição perante Moscovo.

"É também um sinal forte para [Presidente russo, Vladimir] Putin: ele não pode ganhar", acrescentou, recordando que além desta verba existem "50 mil milhões de euros de ajuda da União Europeia (UE) e 60 mil milhões de euros de ajuda dos Estados Unidos".

Também presente na reunião do G7, o chanceler alemão, Olaf Scholz, qualificou de "histórica" a decisão e um "sinal claro para o Presidente russo" do empenho da UE.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, em fevereiro de 2022, os Estados Unidos, a UE e os seus aliados bloquearam 260 mil milhões de euros de fundos do banco central russo em todo o mundo, a maior parte dos quais estão depositados em instituições financeiras na Europa.

Perante as crescentes necessidades financeiras da Ucrânia, o G7 argumenta que a reconstrução do país e a compra de armas, entre outras necessidades, podem ser financiadas com os lucros gerados pelos ativos russos enquanto estiverem imobilizados em diferentes bancos.

Também o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, elogiou o acordo, mas defendeu a necessidade de fundos específicos para apoio militar.

"A NATO propõe um compromisso financeiro mínimo de 40 mil milhões de euros por ano, centrado exclusivamente no apoio militar, o que permitirá manter o nível de apoio mútuo que temos prestado até agora", afirmou Stoltenberg, acrescentando que essa solução proporcionará "previsibilidade e maior responsabilidade", uma vez que tem havido casos em que os aliados assumem compromissos e depois não os cumprem.

Para Stoltenberg, se a NATO implementar uma contribuição deste tipo, será possível "medir, avaliar e comparar" os diferentes tipos de apoio.

Para tal, propôs que os países baseassem as suas contribuições no seu Produto Interno Bruto (PIB), com os Estados Unidos a garantirem 50% (representando 50% do PIB conjunto dos países da NATO) e o Canadá e os aliados europeus os outros 50%.

O objetivo é, frisou o representante, "evitar aquilo a que assistimos nos últimos meses, com atrasos graves na entrega do apoio militar, que criaram grandes problemas aos ucranianos no campo de batalha".

Stoltenberg disse ainda que espera que os aliados aprovem na sexta-feira este plano para que a NATO centralize ainda mais a gestão da ajuda militar e a formação dos soldados ucranianos.

[Notícia atualizada às 19h04]

Leia Também: G7 com acordo provisório para empréstimo de 46.000 milhões a Kyiv

Recomendados para si

;
Campo obrigatório