Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 16º MÁX 27º

Direito ao aborto opõe Itália aos restantes parceiros do G7

Uma declaração do grupo dos sete países mais ricos do mundo (G7) de apoio ao direito ao aborto está a dividir a cimeira que se realiza desde hoje na cidade italiana de Puglia.

Direito ao aborto opõe Itália aos restantes parceiros do G7
Notícias ao Minuto

15:43 - 13/06/24 por Lusa

Mundo G7

Segundo fontes diplomáticas contactadas pela agência de notícias France-Presse (AFP), as objeções da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, cujo país assume este ano a presidência do G7, irritaram os parceiros.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, "queria, de facto, (...) pelo menos, as palavras referentes ao que tivemos em Hiroshima sobre a saúde das mulheres e os direitos reprodutivos" em 2023, sob a presidência japonesa, disse um alto funcionário dos EUA.

Segundo os EUA, "o comunicado [final do G7] reafirmará o compromisso assumido em Hiroshima", disse o funcionário, referindo-se ao apoio expresso no Japão à interrupção voluntária da gravidez (aborto) "segura e legal".

Já o gabinete de Meloni, conhecida pela sua posição ultraconservadora a favor da família tradicional, negou qualquer crítica à proposta dos EUA, alegando que as negociações ainda estão a decorrer.

No ano passado, no comunicado final da cimeira realizada no Japão, os líderes manifestaram a sua "profunda preocupação" com o declínio dos direitos das mulheres.

Comprometeram-se também com o "acesso ao aborto seguro e legal e aos cuidados pós-aborto".

Fonte próxima das negociações disse à AFP que, desde 2021, "tem havido uma menção ao 'acesso seguro'" ao aborto na declaração final, mas "Meloni não o quer" escrito de modo explícito na declaração final.

A primeira-ministra de extrema-direita "está isolada nesta questão. Mas, como é o país anfitrião, os outros decidiram não fazer disso um problema", disse a fonte.

"Por isso, não será incluído no texto" do comunicado final mais considerações sobre o direito ao aborto, mas será confirmada a declaração de Hiroshima.

A França, que consagrou o direito ao aborto na Constituição, e o Canadá mostraram-se particularmente revoltados com a posição de Meloni, segundo o diário italiano Domani.

O aborto é também um tema quente nos Estados Unidos, onde o Presidente denunciou as restrições impostas a este direito fundamental nos estados mais conservadores.

Fonte da Presidência italiana negou que a referência ao "acesso seguro" tenha sido retirada.

"Nenhum Estado pediu que a referência a questões relacionadas com o aborto fosse retirada do projeto de conclusões da cimeira do G7 (...) numa fase em que as negociações ainda estão em curso" e "o que quer que seja incluído no documento final" será o resultado das negociações, acrescentou a mesma fonte.

No poder desde outubro de 2022, Giorgia Meloni, que gosta de se apresentar como uma "mãe cristã", foi acusada por ativistas dos direitos das mulheres de tentar impedir o acesso ao aborto em Itália, um país onde a Igreja Católica mantém uma forte influência.

Embora o aborto seja autorizado desde 1978, o seu acesso é fortemente limitado pela percentagem muito elevada de ginecologistas que invocam a objeção de consciência para não o realizar.

Leia Também: "Direita está a transformar-se num exército de guerra contra mulheres"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório