Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 25º

China admite investigar lácteos e carne de porco da Europa

A China declarou hoje que as suas indústrias "têm direito a apresentar um pedido de investigação" sobre as importações de produtos lácteos e de porco europeus, após a imposição de tarifas pela União Europeia às importações de carros elétricos chineses.

China admite investigar lácteos e carne de porco da Europa
Notícias ao Minuto

12:10 - 13/06/24 por Lusa

Mundo China

O porta-voz do Ministério do Comércio chinês, He Yadong, afirmou que as indústrias chinesas "têm o direito de apresentar um pedido de investigação para proteger a ordem normal da concorrência no mercado e os seus direitos e interesses legítimos".

Cada pedido "será analisado pelas autoridades chinesas em conformidade com a lei", acrescentou.

De acordo com o porta-voz, "se estiverem reunidas condições para apresentar um caso, a autoridade responsável pela investigação dará início ao processo de apresentação e anunciá-lo-á publicamente".

O pedido de investigação por parte das indústrias chinesas estaria em conformidade com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), enfatizou, advertindo que a China "se reserva o direito de apresentar uma queixa junto da OMC", relativamente às medidas da União Europeia (UE), que classificou de "protecionismo flagrante".

Nas últimas semanas, a imprensa estatal chinesa avançou com possíveis medidas de retaliação às tarifas europeias, incluindo investigações 'antidumping' contra produtos lácteos e carne de porco provenientes da Europa.

Esta última afetaria particularmente a Espanha, que é o principal exportador de carne de porco para a China.

O executivo da UE baseou a sua decisão de aplicar direitos aduaneiros aos veículos elétricos chineses nos resultados preliminares do inquérito que lançou em outubro passado para determinar em que medida a penetração dos automóveis chineses no mercado da União afetava os fabricantes europeus.

O inquérito concluiu que a cadeia de abastecimento de veículos elétricos "beneficia, em grande medida, de subsídios injustos na China", que "representam uma ameaça claramente previsível e iminente para a indústria da UE".

Na quarta-feira, o Ministério do Comércio da China instou o executivo da UE a corrigir imediatamente as suas "práticas erradas", criticando a decisão de Bruxelas pela sua "falta de base factual e jurídica".

Leia Também: China ameaça fazer queixa à OMC contra tarifas de veículos elétricos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório