Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

G7 mobiliza 46.000 milhões com lucros de bens russos congelados

Os líderes do G7 chegaram a um acordo para mobilizar 50 mil milhões de dólares à Ucrânia, através da utilização de ativos russos congelados, anunciou hoje a presidência francesa, garantindo que ocorrerá antes do final de 2024.

G7 mobiliza 46.000 milhões com lucros de bens russos congelados
Notícias ao Minuto

23:53 - 12/06/24 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Há um acordo. Como sempre no G7, os líderes tomam uma decisão e os técnicos depois fazem o seu trabalho para o concretizar" para garantir que "cumpre a lei", as "regras das finanças públicas" ou até "às capacidades financeiras uns dos outros", destacou o Palácio do Eliseu, em comunicado.

Antes, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, tinha garantido que havia unanimidade no G7 para "trabalhar para usar estes ativos congelados para ajudar a reconstrução da Ucrânia".

A ideia de conceder à Ucrânia até 50 mil milhões de dólares (46,13 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual) em empréstimos garantidos pelos juros de cerca de 300 mil milhões de dólares (277 mil milhões de euros) em ativos do banco central russo congelados pela União Europeia (UE) e pelos países do G7 não criou consenso entre os países membros do grupo dos sete países mais industrializados do mundo.

"É inicialmente uma iniciativa norte-americana. Este empréstimo destina-se a ser reembolsado com os recursos dos ativos russos congelados", explicou a presidência francesa.

"Mas se por uma razão ou outra os ativos russos forem descongelados ou se os rendimentos dos ativos russos já não produzirem o que é necessário para financiar o empréstimo, então surge a questão da partilha de encargos", lembrou.

De acordo com o Palácio do Eliseu, foram estabelecidos os "princípios desta distribuição e agora os técnicos devem chegar a acordo sobre o contrato que acabará por ser assinado".

Uma das questões é por exemplo saber quais são as garantias deste empréstimo "que é essencialmente americano, mas que pode ser complementado com dinheiro europeu ou contribuições nacionais", apontou ainda.

O Presidente Emmanuel Macron deverá chegar a Itália na quinta-feira de manhã para participar na cimeira do G7.

Também terá conversações bilaterais na sexta-feira com o papa Francisco e o Presidente argelino Abdelmadjid Tebboune.

No sábado, viaja para a cimeira na Suíça pela paz na Ucrânia, onde são esperados dezenas de líderes mundiais, mas sem Moscovo ou Pequim.

Leia Também: Líderes do G7 reúnem-se em Itália para discutir guerras e Sul

Recomendados para si

;
Campo obrigatório