Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
36º
MIN 20º MÁX 37º

Ucrânia. Rússia promete responder a últimas sanções dos EUA

A Rússia prometeu hoje responder às últimas sanções adotadas pelos Estados Unidos (EUA) com o objetivo de travar a capacidade de Moscovo na guerra com a Ucrânia e de pressionar instituições financeiras que lidam com a economia russa.

Ucrânia. Rússia promete responder a últimas sanções dos EUA
Notícias ao Minuto

17:47 - 12/06/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

"A Rússia, como sempre nestes casos, não deixará sem resposta as ações agressivas dos Estados Unidos", anunciou a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, citada pela agência noticiosa estatal TASS.

A nova vaga de sanções norte-americanas foi anunciada na véspera do início da cimeira do G7, grupo que reúne as sete democracias mais ricas do mundo (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, mais a União Europeia).

"As medidas anunciadas hoje visam os restantes canais de abastecimento através dos quais (a Rússia) adquire materiais e equipamentos a nível internacional, incluindo a sua dependência de fornecimentos críticos de países terceiros", afirmou a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen.

Ao anunciar as novas medidas sancionatórias, Yellen destacou como os EUA estão a "aumentar o risco para as instituições financeiras que lidam com a economia de guerra russa".

"Estamos a eliminar oportunidades de evasão e a diminuir a capacidade da Rússia de beneficiar do acesso a tecnologia, equipamento, 'software' e serviços informáticos estrangeiros", acrescentou a responsável, citada num comunicado.

As medidas do Departamento do Tesouro e do Departamento de Estado norte-americanos dizem respeito a mais de 300 entidades localizadas na Rússia e em países como a China, a Turquia e os Emirados Árabes Unidos.

A decisão de Washington inclui a Bolsa de Moscovo e várias filiais, com o objetivo de dificultar transações no valor de vários milhares de milhões de dólares, bem como entidades envolvidas em três projetos de gás natural liquefeito.

Paralelamente, o Departamento do Tesouro está a alargar a sua definição do complexo "militar-industrial" russo, com os bancos estrangeiros a poderem ser sancionados pelo seu apoio à indústria de defesa russa.

O alargamento do âmbito do chamado "regime de sanções secundárias" abre a porta a que instituições financeiras estrangeiras possam ser sancionadas se efetuarem transações que envolvam qualquer pessoa sancionada ou bancos russos visados, como o VTB ou o Sberbank, aumentando assim a lista de alvos visados de mais de 1.000 para cerca de 4.500.

Este anúncio surge na véspera da cimeira do G7 em Itália, que decorre até sexta-feira, e durante a qual o Presidente dos EUA, Joe Biden, pretende mostrar ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, que "o tempo não está do seu lado", de acordo com um porta-voz da Casa Branca.

A Ucrânia tem contado com ajuda financeira e em armamento dos aliados ocidentais desde que a Rússia invadiu o país, em 24 de fevereiro de 2022.

Os aliados de Kiev também têm decretado sanções contra setores-chave da economia russa para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra na Ucrânia.

Leia Também: Venezuela saúda "nova e vigorosa era" de Vladimir Putin na Rússia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório