Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
29º
MIN 19º MÁX 32º

Guerra na Ucrânia. EUA impõem nova vaga de sanções contra Moscovo

Os Estados Unidos da América (EUA) anunciaram hoje novas sanções para travar o esforço de guerra da Rússia na Ucrânia e pressionar as instituições financeiras que lidam com a economia russa.

Guerra na Ucrânia. EUA impõem nova vaga de sanções contra Moscovo
Notícias ao Minuto

17:17 - 12/06/24 por Lusa

Mundo Ucrânia

A nova vaga de sanções norte-americanas é anunciada na véspera do início da cimeira do G7, grupo que reúne as sete democracias mais ricas do mundo (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, mais a União Europeia).

"As medidas anunciadas hoje visam os restantes canais de abastecimento através dos quais (a Rússia) adquire materiais e equipamentos a nível internacional, incluindo a sua dependência de fornecimentos críticos de países terceiros", afirmou a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen.

Ao anunciar as novas medidas sancionatórias, Yellen destacou como os EUA estão a "aumentar o risco para as instituições financeiras que lidam com a economia de guerra russa".

"Estamos a eliminar oportunidades de evasão e a diminuir a capacidade da Rússia de beneficiar do acesso a tecnologia, equipamento, 'software' e serviços informáticos estrangeiros", acrescentou a responsável, citada num comunicado.

As medidas do Departamento do Tesouro e do Departamento de Estado norte-americanos dizem respeito a mais de 300 entidades localizadas na Rússia e em países como a China, a Turquia e os Emirados Árabes Unidos.

A decisão de Washington inclui a Bolsa de Moscovo e várias filiais, com o objetivo de dificultar transações no valor de vários milhares de milhões de dólares, bem como entidades envolvidas em três projetos de gás natural liquefeito.

Paralelamente, o Departamento do Tesouro está a alargar a sua definição do complexo "militar-industrial" russo, com os bancos estrangeiros a poderem ser sancionados pelo seu apoio à indústria de defesa russa.

O alargamento do âmbito do chamado "regime de sanções secundárias" abre a porta a que instituições financeiras estrangeiras possam ser sancionadas se efetuarem transações que envolvam qualquer pessoa sancionada ou bancos russos visados, como o VTB ou o Sberbank, aumentando assim a lista de alvos visados de mais de 1.000 para cerca de 4.500.

Este anúncio surge na véspera da cimeira do G7 em Itália, que decorre até sexta-feira, e durante a qual o Presidente dos EUA, Joe Biden, pretende mostrar ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, que "o tempo não está do seu lado", de acordo com um porta-voz da Casa Branca.

A Ucrânia tem contado com ajuda financeira e em armamento dos aliados ocidentais desde que a Rússia invadiu o país, em 24 de fevereiro de 2022.

Os aliados de Kiev também têm decretado sanções contra setores-chave da economia russa para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra na Ucrânia.

Leia Também: Putin satisfeito com economia russa apesar das sanções

Recomendados para si

;
Campo obrigatório