Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 23º MÁX 38º

Partido de direita francês destitui líder que queria aliar-se a Le Pen

O principal partido da direita francesa, Os Republicanos, decidiu hoje destituir o seu presidente, Eric Ciotti, por propor uma aliança inédita com a extrema-direita para as legislativas antecipadas de 30 de junho e 07 de julho.

Partido de direita francês destitui líder que queria aliar-se a Le Pen
Notícias ao Minuto

16:46 - 12/06/24 por Lusa

Mundo França

A proposta de Ciotti de aliança com a União Nacional (RN, na sigla em francês), atualmente liderada por Jordan Bardella mas que mantém presente a figura de Marine Le Pen, desencadeou na terça-feira uma crise interna no partido.

Ciotti foi hoje excluído "por unanimidade" da comissão executiva de Os Republicanos (LR), a corrente política herdeira do general Charles de Gaulle e de vários outros Presidentes da República de França, como Jacques Chirac e Nicolas Sarkozy, indicou o partido num comunicado.

Eric Ciotti reagiu afirmando "continuar" na liderança dos LR.

Defensor de uma linha dura quanto à imigração, Ciotti tem enfrentado uma torrente de críticas dentro do seu partido desde que emitiu o apelo para forjar uma aliança sem precedentes com a RN - que se posicionou em primeiro lugar por uma larga margem nas eleições europeias em França -- para as eleições legislativas antecipadas de 30 de junho e 07 de julho.

Este escrutínio foi desencadeado pela decisão tomada no domingo pelo chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, de dissolver a Assembleia Nacional após o fracasso do seu partido nas eleições para o Parlamento Europeu.

Até agora, o partido da direita republicana em França sempre recusou formar uma aliança nacional com a extrema-direita.

"Eric Ciotti, fora: ele traiu, traiu por um círculo eleitoral, (...) fora, deve deixar o seu cargo de presidente, mas não só, deve deixar de ser membro dos LR", declarou Xavier Bertrand, dirigente do partido e antigo ministro, à estação televisiva BFMTV-RMC.

"Não há lugar para traidores e para golpes ao estilo de Putin [Presidente russo]", afirmou Valérie Pécresse, ex-candidata à presidência dos LR, pouco antes do início da reunião da comissão executiva do partido.

Antes de o seu destino ter sido hoje decidido, Ciotti voltou a causar polémica, ao recusar o acesso à sede do partido, em Paris, aos representantes eleitos que pretendiam destituí-lo, alegando razões de "segurança".

"Se for necessário, retirá-lo-emos do gabinete dos herdeiros do general De Gaulle", avisou Aurélien Pradié, deputado dos LR, perante as câmaras de televisão.

[Notícia atualizada às 17h07]

Leia Também: Marine Le Pen afirma que está pronta para governar França

Recomendados para si

;
Campo obrigatório