Meteorologia

  • 22 JUNHO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 27º

HRW pede sanções contra os responsáveis pela repressão em Hong Kong

Os governos estrangeiros devem impor "sanções financeiras e de viagem" contra os responsáveis pela repressão em Hong Kong, um território onde o Governo chinês "suprimiu as liberdades fundamentais", afirmou hoje a organização Direitos Humanos Watch (HRW).

HRW pede sanções contra os responsáveis pela repressão em Hong Kong
Notícias ao Minuto

08:55 - 11/06/24 por Lusa

Mundo HWR

Nos últimos cinco anos, as autoridades prenderam mais de 10.000 pessoas, processaram 2.910 e condenaram outras 1.475 pela sua participação em protestos pró-democracia, afirmou a organização de direitos humanos num comunicado de Taipé.

"Cinco anos após os protestos de Hong Kong, o governo não apresentou desculpas nem assumiu a responsabilidade pelos abusos policiais, ao mesmo tempo que promoveu os responsáveis pela violência que lideram a cidade", disse Maya Wang, diretora interina da HRW para a China.

A 12 de junho de 2019, dezenas de milhares de pessoas reuniram-se em torno do Conselho Legislativo de Hong Kong para protestar contra uma reforma legal que procurava permitir a extradição de suspeitos de crimes para a China continental.

Essas mobilizações, que pediam a retirada do projeto de lei e o "sufrágio universal pleno" para os habitantes de Hong Kong, continuaram durante os meses seguintes e atingiram o seu pico em 16 de junho de 2020.

A polícia usou "força cada vez mais excessiva e indiscriminada contra manifestantes maioritariamente pacíficos, em violação das normas internacionais de direitos humanos", denunciou a HRW, citando dados do Grupo de Estudiosos Progressistas de Hong Kong.

Este órgão documentou 1.200 casos de alegada brutalidade policial entre 09 de junho de 2019 e 21 de janeiro de 2020.

Essa força policial ganhou "maior autoridade e impunidade" sob o atual Chefe do Executivo de Hong Kong, John Lee, e o chefe de segurança Ping-Keung Tang, que são considerados responsáveis pela repressão aos protestos de 2019.

Já os tribunais emitiram sentenças consideradas "infundadas" contra profissional, líderes e ativistas da democracia.

Neste sentido, a HRW criticou a ausência de "medidas concretas" por parte dos governos estrangeiros, pedindo-lhes que impusessem "sanções seletivas" contra altos funcionários da Polícia de Hong Kong.

Leia Também: Estado de direito em perigo em Hong Kong, diz juiz. Governo rejeita

Recomendados para si

;
Campo obrigatório