Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 22º

Macron confiante que povo tomará decisão "mais justa" nas legislativas

O presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou hoje confiança na "capacidade" dos seus concidadãos para tomarem a decisão "mais justa" nas eleições legislativas, horas após ter antecipado a ida às urnas face à vitória da extrema-direita nas europeias de domingo.

Macron confiante que povo tomará decisão "mais justa" nas legislativas
Notícias ao Minuto

10:51 - 10/06/24 por Lusa

Mundo Europeias/França

Numa mensagem na rede social X (antigo Twitter), Macron recordou que as duas voltas das legislativas vão decorrer a 30 de junho e 07 de julho e afirmou: "confio na capacidade do povo francês para tomar a decisão mais justa para si próprio e para as gerações futuras".

"A minha única ambição é ser útil ao nosso país, que tanto amo", acrescentou o chefe de Estado, que anunciou a dissolução da Assembleia Nacional após a divulgação das primeiras sondagens, que já antecipavam uma noite fatídica para o seu partido.

O partido da extrema-direita União Nacional (Rassemblement national, RN, na sigla francesa) ganhou as eleições europeias de domingo com 31,37%, seguindo-se a coligação do partido de Macron, com 14,60% e a coligação dos socialistas 13,83%.

No seu discurso de domingo, Macron considerou que não podia fingir que nada tinha acontecido.

"Após ter efetuado as consultas previstas no artigo 12º da nossa Constituição, decidi devolver-vos a escolha do nosso futuro parlamentar através do voto", disse.

"Dentro de alguns instantes, assinarei o decreto de convocação das eleições legislativas, que se realizarão a 30 de junho para a primeira volta e a 07 de julho para a segunda", acrescentou.

As eleições legislativas estavam previstas para junho de 2027, dois meses depois das eleições presidenciais.

Já esta manhã, a União Nacional anunciou Jordan Bardella como candidato ao cargo de primeiro-ministro de França.

"Jordan Bardella foi eleito deputado europeu, por isso já tem a unção popular" e "é o nosso candidato para ir a Matignon [residência oficial do Chefe do Governo em França]", anunciou o vice-presidente do partido, Sébastien Chenu à rádio RTL.

Por seu turno, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Stéphane Séjourné, sublinhou, numa entrevista à France Inter, que se tratará de "uma escolha importante" e admitiu que "provavelmente" seria candidato.

"Como todos os dirigentes políticos, quando tiver de assumir as minhas responsabilidades, assumirei as minhas", declarou.

A esquerda, por seu lado, deve agora testar a possível reedição de uma aliança como a que deu origem à Nova União Popular Ecológica e Social (NUPES), liderada pela França Insubmissa (LFI, na sigla francesa).

O ex-candidato presidencial deste partido, Jean-Luc Mélenchon, já proclamou na sua conta do X que é hora de "união". "Urgente, forte, claro", destacou.

No entanto, os resultados das eleições europeias elevaram o Partido Socialista como principal referência da esquerda, ao conseguir o terceiro lugar, a menos de um ponto percentual da coligação de Macron.

O líder dos socialistas, Olivier Faure, lançou no domingo um primeiro apelo à unidade e hoje, numa entrevista à France Info, insistiu na necessidade de constituir "uma frente popular contra a extrema-direita".

Faure, que confirmou os primeiros contactos entre diferentes grupos relacionados, afirmou que Macron já não tem "capacidade de colocar barreiras" à extrema-direita.

Leia Também: Extrema-direita antecipa legislativas em França, mas centro resiste

Recomendados para si

;
Campo obrigatório