Meteorologia

  • 22 JUNHO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 27º

Sudão: Serviços em hospital suspensos devido a ataque de paramilitares

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) denunciaram hoje que todos os serviços num hospital de Al-Fasher, no oeste do Sudão, foram suspensos devido a um ataque das Forças de Apoio Rápido (FRS), grupo paramilitar que tenta controlar a cidade.

Sudão: Serviços em hospital suspensos devido a ataque de paramilitares
Notícias ao Minuto

10:22 - 10/06/24 por Lusa

Mundo Médicos sem Fronteiras

Em comunicado, os MSF disseram tratar-se do Hospital Sul, um dos dois únicos centros médicos em Al-Fasher com capacidade cirúrgica, principal referência para tratamento de feridos de guerra naquela cidade, capital do estado de Darfur do Norte, e o único equipado para cuidar de um grande número de vítimas.

"Os MSF e o Ministério da Saúde [sudanês] suspenderam todas os serviços no Hospital Sul (...) depois de os soldados das FRS terem invadido as instalações, aberto fogo e terem saqueado o local, incluindo o roubo de uma ambulância", refere-se na nota.

Os MSF referiram que a maior parte dos pacientes e da equipa médica que se encontravam no hospital "conseguiram fugir dos disparos das FRS", embora não tenham ainda conseguido verificar se houve mortos ou feridos no ataque.

O chefe do departamento de emergência dos MSF, Michel Lacharité, citado no comunicado, declarou que esse ataque "não é um incidente isolado".

"Tanto a equipa de saúde quanto os pacientes suportaram ataques nas instalações durante semanas de todos os lados, mas abrir fogo dentro de um hospital ultrapassa os limites", disse Lacharité.

O responsável dos MSF apelou a que "as partes em conflito parem os ataques aos serviços médicos", alertando que "os hospitais estão a encerrar" e que "as instalações restantes não podem cuidar de um grande número de vítimas".

Segundo os MSF, somente entre 10 de maio e 06 de junho, mais de 1.300 vítimas procuraram tratamento no Hospital Sul.

"Agora os feridos estão a ser transferidos para outras instalações, como hospitais pediátricos e sauditas, que não estavam preparados para tal fluxo" de pacientes, acrescentou.

Al-Fasher é o último bastião do exército na imensa região de Darfur, formada por cinco estados e uma das regiões mais afetadas pelo cerco e confrontos entre o exército sudanês e os FRS.

A guerra no Sudão, que eclodiu em 15 de abril de 2023, transformou o país africano no cenário da pior crise sanitária e de deslocados internos e no estrangeiro do mundo, com quase 10 milhões de pessoas, segundo a ONU.

Em mais de um ano de guerra, o número de mortos ronda os 30 mil, segundo o Sindicato dos Médicos Sudaneses, alertando ainda que o número real de vítimas pode ser muito superior.

Leia Também: Médicos Sem Fronteiras anuncia mais 11 mortes de migrantes no Mediterrâneo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório