Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 22º

França: Esquerda mobiliza-se para legislativas perante avanço da extrema-direita

O líder do Partido Socialista francês, Olivier Faure, reconheceu no domingo que a derrota nas eleições europeias deixou o Presidente francês sem outra opção senão dissolver o parlamento e prometeu uma "alternativa de esquerda".

França: Esquerda mobiliza-se para legislativas perante avanço da extrema-direita
Notícias ao Minuto

07:00 - 10/06/24 por Lusa

Mundo Europeias/França

Confrontado na estação televisiva TF1 com o anúncio do chefe de Estado francês, Faure disse que "o castigo desta noite é tão pesado que [Emmanuel] Macron não teve outra alternativa senão voltar às urnas".

As primeiras projeções sobre as eleições para o Parlamento Europeu em França atribuíram à União Nacional (Rassemblement National, RN na sigla francesa), formação de extrema-direita, 31,5% dos votos, quase um terço do total.

Este resultado representa mais do dobro dos votos previstos para o Renascimento (Renaissance, RE), o partido do Presidente Emmanuel Macron (15,2%), e mais do que a soma do segundo e terceiro partido mais votados.

O Partido Socialista francês (PSF), liderado neste escrutínio por Raphaël Glucksmann, deverá ficar-se pelos 14% dos votos, segundo as mesmas projeções.

Na sequência do mau desempenho nas urnas, Macron decidiu dissolver a Assembleia Nacional e antecipar as eleições legislativas, com a primeira volta a 30 de junho e a segunda a 07 de julho.

Em várias partes de Paris, dezenas de pessoas mobilizaram-se para protestar contra o crescimento da extrema-direita.

Faure acusou a RN de defender o mesmo tipo de políticas de direita de Macron e argumentou: "Se queremos uma alternativa, se queremos que uma mudança" é necessária "uma alternativa de esquerda".

O deputado discordou assim do líder da lista do PSF às eleições europeias, Raphaël Glucksmann, que criticou Macron por ter cedido à pressão do presidente da RN, Jordan Bardella, para a convocação de eleições legislativas antecipadas.

"Nada o obrigava. Está a fazer um jogo perigoso com a democracia e as instituições", avisou Glucksmann, que lançou um apelo "a todos os eleitores de esquerda, a todos os democratas combativos" para derrotar a extrema-direita.

Por parte do partido extrema-esquerda França Insubmissa (La France Insoumise, LFI), o quarto mais votado (8,7%, segundo as estimativas), o fundador da força partidária, Jean-Luc Mélenchon afirmou: "Não tememos o povo, pelo contrário". 

O antigo candidato presidencial afirmou que Macron "teve razão em dissolver" a Assembleia Nacional porque "não tem mais nenhuma legitimidade para continuar a sua política", destacando o apoio militar à Ucrânia "numa lógica de agressividade contra a Rússia" e a falta de apoio ao povo palestiniano "que sofre um genocídio".

O deputado da LFI, François Ruffin, foi mais longe e sugeriu, em declarações à estação TF1, a formação de uma "frente popular" com os diferentes partidos e movimentos de esquerda, incluindo socialistas, comunistas e verdes.  

Também do lado da extrema-direita houve apelos à união, nomeadamente por parte de Marion Maréchal, sobrinha de Marine Le Pen mas candidata pelo partido Reconquista! (Reconquête), que terá eleito pela primeira vez eurodeputados graças a 5,3% de votos estimados. 

"Obrigada a todos por esta maravilhosa vitória! A coligação de direita a que aspiro parece mais necessária do que nunca", escreveu na rede social X, propondo um encontro com dirigentes como Jordan Bardella e o líder do partido Republicanos (Les Républicains, centro direita), Eric Ciotti. 

Sem responder a Marion Maréchal, Ciotti foi claro que recusará qualquer aliança com Macron, afirmando: "Está fora de questão fazer uma coligação com o governo que tanto mal fez à França'".

Leia Também: França. Candidata do partido de Macron quer "maioria clara" nas eleições

Recomendados para si

;
Campo obrigatório