Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 15º MÁX 22º

Orban antecipa eleições históricas sobre "paz ou guerra na Europa"

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, defendeu hoje que as eleições europeias de 09 de junho são históricas e "provavelmente serão vistas como aquelas que decidiram a paz ou a guerra na Europa".

Orban antecipa eleições históricas sobre "paz ou guerra na Europa"
Notícias ao Minuto

23:01 - 29/05/24 por Lusa

Mundo Europeias

"Além do número de assentos que este ou aquele partido irá obter, o mais importante na minha opinião será o número de deputados dispostos a ir mais longe na guerra na Ucrânia e o número daqueles que estarão lá para pôr fim a isso", realçou Orban, em entrevista à revista francesa Le Point.

"Se espero uma vitória dos deputados pró-paz. Espero também que haja mais deputados soberanistas a favor de uma Europa das nações", acrescentou o primeiro-ministro húngaro, país que assumirá a presidência rotativa do Conselho Europeu em julho e que é o mais relutante, dentro da União Europeia (UE), em apoiar a Ucrânia contra a Rússia.

Segundo Orbán, "o futuro do campo soberanista na Europa, assim como da direita em geral, está hoje nas mãos de duas mulheres", as líderes da extrema-direita italiana e francesa, Giorgia Meloni e Marine Le Pen, respetivamente.

"Se conseguirem trabalhar em conjunto, num único grupo ou numa coligação, serão uma força para a Europa. A atração da sua cooperação será muito forte. Poderá ser suficiente para remodelar a configuração da direita europeia, ou mesmo para suplantar o Partido Popular Europeu (PPE, primeiro grupo no Parlamento Europeu)", sublinhou Orban.

O seu partido, o Fidesz, cujos representantes eleitos estão atualmente entre os "não registados", deve juntar-se ao grupo Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) onde tem assento o partido de Meloni, que "inspira nela muito respeito", defendeu o governante húngaro.

"A sua tarefa foi muito difícil. Mal eleita, foi acusada de ser extremista, de não respeitar os valores da União Europeia", mas "hoje, todos respeitam o seu governo de direita, baseado em valores cristãos, favorável à democracia e que luta pelos valores europeus", defendeu ainda.

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, aspira a uma união da extrema-direita parlamentar europeia, para que os números tenham influência.

Juntamente com o aliado de Meloni no Governo, Matteo Salvini, da Liga, Le Pen contribuiu para a expulsão do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) do grupo de Identidade e Democracia no Parlamento Europeu.

Le Pen procura agora alianças com Meloni, presidente do grupo Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) e que muito provavelmente será o grupo que contribuirá com mais deputados para o Parlamento Europeu.

Questionado sobre qual considera ser a maior ameaça que pesa sobre a Europa, Orban apontou que "o mais perigoso continua a ser a liderança ideológica da União Europeia", denunciando o conceito de "sociedade aberta" e o abandono de "valores ou identidades nacionais, valores familiares tradicionais, para não mencionar os valores cristãos".

As eleições para o Parlamento Europeu (PE) realizam-se entre 06 e 09 de junho nos 27 países que compõem a União Europeia, incluindo Portugal.

Leia Também: Extrema-direita não gosta do Portugal que é "sardinha, kebab e cachupa"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório