Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 29º

Manobras chinesas são "provocação flagrante" à ordem internacional

As manobras militares realizadas durante dois dias pela China em torno de Taiwan são uma "flagrante provocação à ordem internacional", disse hoje, num comunicado, a porta-voz da presidência taiwanesa.

Manobras chinesas são "provocação flagrante" à ordem internacional
Notícias ao Minuto

09:07 - 25/05/24 por Lusa

Mundo Taiwan

"A recente provocação unilateral da China não só mina o 'status quo' da paz e da estabilidade através do Estreito de Taiwan. É também uma provocação flagrante da ordem internacional, suscitando sérias preocupações e condenação por parte da comunidade internacional", disse Karen Kuo.

Em Pequim, a China anunciou hoje o fim dos dois dias de manobras militares de grande escala em torno de Taiwan, descritas como "punição severa para os atos separatistas" do novo Presidente da ilha, William Lai Ching-te.

O exército chinês "concluiu com sucesso" os exercícios denominados 'Joint Sword - 2024ª', disse na noite de sexta-feira um apresentador da CCTV-7, a televisão estatal chinesa responsável pelas notícias militares.

O Ministério da Defesa Nacional de Taiwan disse ter detetado, nas últimas 24 horas, a presença de 62 aviões de guerra chineses e 27 navios chineses nas proximidades da ilha e dos arquipélagos periféricos.

Num relatório, o ministro referiu que 47 destas aeronaves, incluindo caças SU-30 e bombardeiros H-6, cruzaram a linha média do Estreito de Taiwan, a fronteira de facto entre as duas partes.

Este é o número diário mais elevado de incursões desde 11 de abril de 2023, quando a China lançou uma série de manobras em torno de Taiwan após o encontro entre a então Presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, e o então presidente da câmara baixa do parlamento dos EUA, Kevin McCarthy, nos Estados Unidos.

Alguns dos aviões de guerra chineses passaram a 39 milhas náuticas (72,2 quilómetros) de Keelung, uma cidade do norte de Taiwan que alberga uma base militar, e a 41 milhas náuticas (76 quilómetros) do Cabo Eluanbi, no sul do país, disse o ministério.

As forças armadas de Taiwan "acompanharam a situação e empregaram aviões de combate, navios da Marinha e sistemas de mísseis costeiros em resposta às atividades detetadas", afirmou o ministério.

Durante os dois dias de manobras chinesas, Taiwan detetou um total de 111 aviões de guerra -- 82 dos quais cruzaram a linha média do Estreito de Taiwan - e 53 navios da Marinha e da Guarda Costeira chinesas.

Na sexta-feira, a Administração da Guarda Costeira de Taiwan disse ter repelido a incursão de quatro navios chineses que entraram em águas próximas das ilhas Wuqiu e Dongyin, situadas junto à China continental.

Taiwan disse que esta é a oitava vez em maio que navios da Guarda Costeira chinesa navegam em "águas restritas" dos arquipélagos periféricos, afetando a "segurança da navegação" e "prejudicando a paz e a estabilidade" da região.

A ação militar da China ocorreu dias depois de tomar posse o novo Presidente de Taiwan, William Lai, que na quinta-feira apelou à população para manter a calma, mobilizou as forças armadas da ilha e garantiu que o seu governo protegeria a democracia de Taiwan com determinação.

O território opera como uma entidade política soberana, com diplomacia e exército próprios, apesar de oficialmente não ser independente. Pequim considera Taiwan uma província sua, que deve ser reunificada, pela força, caso seja necessário.

Leia Também: China anuncia fim das manobras militares em torno de Taiwan

Recomendados para si

;
Campo obrigatório