Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
30º
MIN 17º MÁX 30º

Homem abatido a tiro pela polícia a norte da capital da Nova Caledónia

Um homem de 48 anos foi morto hoje na Nova Caledónia por um polícia que tinha sido "atacado fisicamente" por manifestantes, anunciou o procurador de Nouméa.

Homem abatido a tiro pela polícia a norte da capital da Nova Caledónia
Notícias ao Minuto

11:22 - 24/05/24 por Lusa

Mundo Nova Caledónia

Trata-se da sétima vítima mortal desde o início da crise no território ultramarino francês na Oceânia e ocorre um dia após a deslocação do chefe de Estado Emmanuel Macron a Noumea.

Quando se deslocavam em Dumbea, a norte da capital, dois polícias foram "fisicamente atacados por um grupo de cerca de quinze indivíduos" e um deles disparou a arma, explicou o procurador Yves Dupas.

O agente da polícia, em quem foram encontrados vestígios de agressões, foi detido.

O Aeroporto Internacional de Numeá vai permanecer encerrado aos voos comerciais até às 09:00 de terça-feira (22:00 de segunda-feira em Lisboa), disse o diretor da Câmara de Comércio e Indústria do território ultramarino francês.

O aeroporto de La Tontouta está fechado aos voos comerciais desde o passado dia 14 de maio devido aos bloqueios de estradas.

A crise foi provocada pela reforma legislativa aprovada pela Assembleia Nacional em Paris que alargaria o eleitorado para as eleições provinciais a todos os naturais de Nova Caledónia e residentes há pelo menos 10 anos.

Os apoiantes da independência consideram que o alargamento pode "marginalizar ainda mais o povo kanak", que constitui 41% da população.

O acordo defendido por Emmanuel Macron deve contemplar também um plano para tornar a economia menos dependente do níquel (produção local) e "a questão de um voto de autodeterminação".

A Nova Caledónia é um arquipélago situado na Melanésia, a cerca de 1.200 quilómetros a leste da Austrália e a 17 mil de Paris, com pouco mais de 270 mil habitantes.

A população votou em referendos sobre a independência em 2018 e 2019, com o voto favorável à França de 56% e 53%, respetivamente.

Um terceiro referendo em 2020 foi boicotado pelas forças pró-independência, que consideram que a votação deveria ter sido adiada devido à pandemia.

Leia Também: Macron diz que Nova Caledónia não se pode tornar "um faroeste"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório