Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 22º

Sunak admite deportações para o Ruanda só depois das eleições

Os voos para o Ruanda com migrantes em situação irregular só vão partir depois das eleições legislativas britânicas de 04 de julho, admitiu hoje o primeiro-ministro do Reino Unido, o conservador Rishi Sunak.

Sunak admite deportações para o Ruanda só depois das eleições
Notícias ao Minuto

10:58 - 23/05/24 por Lusa

Mundo Migrações

"O primeiro voo partirá em julho e depois haverá uma série de voos durante o verão para reforçar a capacidade de dissuasão", afirmou, em declarações à rádio LBC.

Pressionado a esclarecer se teriam lugar antes de 04 de julho, Sunak admitiu que seriam "depois das eleições". 

"O trabalho de preparação já começou", vincou. 

O líder do Partido Conservador afirmou que a escolha é entre ele e o rival Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, o qual alegou que "cancelará o plano e oferecerá aos imigrantes ilegais uma amnistia". 

O Governo britânico aprovou em abril uma lei polémica que abre caminho ao envio de migrantes que chegam ao Reino Unido em embarcações através do Canal da Mancha, que separa Inglaterra e França, para o Ruanda, na sequência de um acordo com este país.

Sunak argumentou na rádio que "15 outros países europeus concordam" com a abordagem de Londres sobre a deportação de migrantes ilegais para países terceiros. 

Na semana passada, 15 Estados-membros da União Europeia propuseram a transferência de requerentes de asilo para países terceiros seguros e parcerias "mutuamente benéficas e duradouras" com os principais países ao longo das rotas migratórias, de forma a "reduzir a pressão" migratória.

Numa missiva enviada à Comissão Europeia, os ministros do Interior e da Migração de Itália, República Checa, Bulgária, Dinamarca, Estónia, Grécia, Chipre, Letónia, Lituânia, Malta, Países Baixos, Áustria, Polónia, Roménia e Finlândia propuseram medidas para responder aos "desafios relativos ao sistema de asilo e migração da União Europeia (UE), com um aumento acentuado das chegadas irregulares, [que] são insustentáveis".

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, convocou na quarta-feira eleições legislativas para 04 de julho, após receber do rei Carlos III autorização para dissolver o parlamento. 

O Partido Trabalhista, maior força política da oposição, é o favorito para ganhar as eleições, tendo em conta a vantagem de cerca de 20 pontos percentuais à frente do Partido Partido Conservador, no poder desde 2010.

Leia Também: Rishi Sunak surpreende com eleições a 4 de julho e arrisca derrota

Recomendados para si

;
Campo obrigatório